Segunda-feira, 2 de Agosto de 2010

Saboreia-me

Afundar-me no teu abraço. Derreter-me na tua boca. Saboreia-me. Lentamente. Prova-me com os teus lábios. Morde-me. Docemente. Faz correr o sangue felino que há em mim. Fere-me. Só mais um pouco.

 


publicado por blue258 às 01:39
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (5) | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

...

Queria ser a silhueta que escorrega nas tuas mãos.

A boca que abraça a tua.

O corpo que recebe o teu.

 

 

Silleda, 12 de julho


publicado por blue258 às 20:37
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (5) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Julho de 2010

Gente,

Eu estou inspirada. Oh se estou. Devia aproveitar esta inspiração para fazer algo de produtivo. Mais um texto da casa na praia, por exemplo. Mas o pensamento não deixa. Repete constantemente: pele, praia, beijo, boca. E isto termina com imagens de corpos quentes que me bloqueiam o cérebro. E a vontade, ai a vontade, essa quer pegar no carro e sair daqui.


publicado por blue258 às 00:20
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (5) | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

#42 Have me in your arms

I was a heavy heart to carry, my beloved was weighed down. My arms around his neck, my fingers laced to crown.

I was a heavy heart to carry, my feet dragged across the ground... and he took me to the river, where he slowly let me drown.

My love has concrete feet. My love's an iron ball. Wrapped around your ankles... over the waterfall.

 

 

 

Cala-me. De paixão. Atordoa-me. De querer. Sufoca-me. De desejo. Mata-me. De prazer. Morde-me o pescoço, os ombros. Marca-me a pele. Tolda-me o espírito. Acorrenta-me. Prende-me com a paixão. A ti, a ti, a ti.

Encaixada, enlaçada. Presa, perdida. Os meus braços, no teu pescoço.  Os teus, sustentam o peso do meu corpo. A minha boca, na tua pele. A tua, desvairada, morde, beija e marca. As minhas pernas envolvem-te pela cintura. As tuas, encaminham-nos para o mar.

 

Corpos entrelaçados sob um manto escuro, sobre uma cama molhada. E a água fria beija-nos a pele. Arrepia a exultação dos corpos na água. A animação do teu... no meu. E do meu, do meu, do meu...

Abraço. Arranho. Beijo. Mordo.  Sacio a fome. A fome... Mitigo a sede. A sede... Do teu corpo. Da tua boca. De ti.

Solto o teu pescoço. Deito as costas no mar. Pairo sobre a água. Agarro o céu.  As tuas mãos comandam sucessivas invasões. Fortes e destemidas.

Abrandas o ritmo. Avanças... e eu deliro. Recuas... e eu espero, insaciável.

A cadência das estrelas. O compasso do mar.  O balanço dos corpos. O batimento do coração. A força  maior que rege o universo.

E eu sou tua. E tu, meu. E eu recebo-te, todo. Em mim, em mim, em mim.

 

 

This will be my last confession... I love you never felt like any blessing. Whispering like it's a secret, only to condemn the one who hears it with a heavy heart. I was a heavy heart to carry, my beloved was weighed down. My arms around his neck. My fingers laced to crown.

 

I was a heavy heart to carry
But he never let me down
When he had me in his arms
My feet never touched the ground

 


música: Heavy in your arms - Florence + The Machine

publicado por blue258 às 00:41
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (4) | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Junho de 2010

# 41 E tu... (bolinha vermelha ainda pequenina... ainda...)

 

Louco. O desejo que se apodera do meu corpo. Louco. O desejo que incendeia a alma. Louco. Este querer, louco. O beijo, louco.  A loucura num beijo. Loucura.

A tua pele morena. O teu perfume. O teu cheiro. Os teus olhos castanhos.  O olhar penetrante. A tua boca. O teu sabor.   A envolvência que me aprisiona. O teu sorriso.  O teu rosto. O teu pescoço. Os teus ombros. Os teus braços fortes. As tuas mãos. Os teus dedos. Todo o teu corpo. Tudo em ti é loucura.

A forma como te quero. Como te desejo. A minha alma quer entrelaçar-se na tua, enquanto que o meu corpo resume o seu querer ao teu corpo. A ti. A ter-te. Selvagem e frenética. Jovem e impetuosa.

Toma-me. Nos teus braços. Na tua boca. Na tua pele. Inflama este corpo que arde de desejo pelo teu. Cala esta boca que espera pela tua. Sustém o arrepio gelado que percorre a  pele  que queima. A alma que arde. Toma-me nos teus braços. Abraça este corpo que estremece.  De frio.  De calor. De prazer. Desejo.

 

 

On candystripe legs the spiderman comes
Softly through the shadow of the evening sun
Stealing past the windows of the blissfully dead
Looking for the victim shivering in bed
Searching out fear in the gathering gloom and

Suddenly! A movement in the corner of the room!
And there is nothing I can do, when I realise with fright
That the spiderman is having me for dinner tonight!

 

A ténue luz lunar, revela fragmentos de pele expostos, aqui e ali; concede tons dourados à areia; dá voz ao mar silenciado. E nós, ambos de olhos semi-cerrados. Percebo a sede no teu sorriso, a fome no teu olhar. Apercebo cada gesto, cada movimento. Apercebo-te.

Deslizas as mãos pelo meu corpo. Entranhas-te cada vez mais em mim. Eu morro um pouco de cada vez. E tu trazes-me de volta à vida, a cada vez.

 

Libertas-te das minhas pernas que te entrelaçavam. As tuas mãos perdem-se no seu contorno. Definem os músculos exaltados. Acariciam a pele.

Olhas para mim com aquele olhar que incendeia. Sorris, com aquele sorriso que me mantém cativa. Escrava. Prisioneira.

Os teus lábios frios beijam a pele. Cada centímetro de pele. Decididos. Demorados. A tua boca, prova, saboreia. A tua língua, serpenteia. E eu, deliro.

 

His arms are all around me and his tongue in my eyes
"Be still be calm be quiet now my precious boy
Don't struggle like that or I will only love you more
For it's much too late to get away or turn on the light
The spiderman is having you for dinner tonight"

 

Demoras-te na virilha, no interior da coxa. E mordes. E sugas. E mordes. Sugas. A minha carne, na tua boca. E eu deixo de ser um corpo, para ser apenas carne. Pele e carne. A minha, e a tua. A tua boca, as tuas mãos, na minha carne.  A minha carne, na tua boca... eu, nas tuas mãos.

A forma como me tocas... beijas e mordes. A forma como me sabes tua. Deixo de sentir a carne e sinto apenas as tuas mãos. E as tuas mãos tornam-se parte do meu corpo. E o meu corpo... parte de ti.

 

 

música: Lullaby - The Cure

publicado por blue258 às 00:20
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (7) | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Junho de 2010

#40 Quero-te. Já. Agora. (bolinha vermelha, mas pequenina... pequenina)

 

 

 

Os meus lábios perdem-se nos teus. As nossas bocas envolvem-se na saliva doce. O meu corpo  balança de encontro ao teu. Descubro a tua pele... e saboreio-te. Beijo-te, mordo-te, quero-te todo neste beijo. Quero-te. Já. Agora. Quero-te!

 

I can hardly wait

 

As minhas mãos perdem-se no teu corpo. As tuas não largam o meu. E a tua boca beija a minha sem pudor, marca-me o pescoço e morde-me os ombros. E eu gemo e deliro. E balanço o meu corpo de encontro ao teu.

As  minhas mãos percorrem a tua pele ávidas de desejo. E eu quero-te. Já. Agora. Quero-te. E é este mesmo desejo que não nos deixa chegar a casa... aquela, na praia, sem vizinhos por perto.

 

It's been so long
I've lost my taste
Say angel come
Say lick my face
Let fall your dreams
I'll play the part
I'll open this mouth wide
Eat your heart

 

I can hardly wait

 

Unes os nossos corpos num abraço apertado. Nem o desejo permites respirar. A boca, ofegante, morde-te a orelha:  Tenho fome de ti. Quero-te. Já. Agora.

Deliras com a certeza do meu querer. O teu corpo quer o meu e sem demora. Num rompante, fazes da duna, sofá. E já eu liberto o teu corpo da camisa. Arranho-te as costas. Mordo-te os ombros. Beijo-te a morder. É a fome deste querer. De te querer. E eu quero-te. Como te quero!


Lips cracked, dry
Toungue blue burst
Say angel come
Say lick my thirst
It's been so long
I've lost my taste
Here Romeo
Make my world as great

 

Prevejo o meu corpo na areia fria. Deliro ao sentir as tuas mãos no meu corpo quente. A tua boca, na minha. O teu beijo, no meu. E eu bebo despudoradamente o teu sabor. E a sede da minha pele quer engolir a tua. Tenho sede...  sede de ti.

E deixo-me perder no teu beijo molhado. Deixo a saliva marcar-te de desejo. Saboreio o teu na minha pele. As minhas pernas enlaçam-te pela cintura. Prendem-te contra mim. A minha boca não deixa a tua. As minhas mãos saciam-se da vontade do teu corpo. Fome. Sede. Fome. Sede. Fome... e sede.

Capturados num abraço de querer. Um abraço que é desejo. Mordo-te. Beijo-te. Deliro. Gemo. Quero. Quero-te. Já. Agora. Aqui.

 

 

 


sinto-me: I Can Hardly Wait - J. Lewis

publicado por blue258 às 14:14
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (11) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Junho de 2010

#39 Lugares

 

Lugares. Há algo nos lugares que nos marca. Parecem mesmo imiscuir-se em nós. E neles deixamos parte do que somos. Será esta simbiose que os torna especiais. Só nossos. Até os partilharmos com alguém. E mais alguém deixar lá parte de si. E levar consigo um pedaço daquele lugar. Aí deixam de ser só nossos. Foi assim que aquele lugar passou a ser teu também. E eu, tua.

 

Vem ter comigo àquele sítio. Aquele, junto à praia.

 

 

Espero por ti, encostada ao carro. Ao chegar, trazes aquele olhar traquina e sorriso malandro - cá para mim, voaste o caminho todo com ele nos lábios. Deténs o carro. Fixas-te em mim.  O teu sorriso abre-se ainda mais e os teus olhos fecham-se num olhar aberto.

Sais. Fechas a porta, encostas-te e deixas que os teus braços chamem por mim. Respondo encolhendo-me no teu abraço. Pouso a cabeça naquele sítio, naquele... e deixo-me estar. Sinto como se tivesse chegado a casa após uma longa ausência. Rosto rendido no teu peito e mãos tranquilas. Sim, cheguei a casa.

Respiro o perfume da tua pele na camisa. As minhas mãos acariciam o teu peito, as tuas costas, deixando-te enlaçado pela cintura. O meu rosto não descola do teu peito, e timidamente, os meus lábios beijam-te a pele através do tecido. Sinto o calor do teu corpo. A tua respiração. Sinto as tuas mãos acariciarem-me as costas com doçura. Envolves-me num abraço doce, suave, forte e destemido.

 

Lembro o primeiro abraço. E volto a sentir-me miúda nos teus braços. E tu, tal como da primeira vez, por me sentires miúda ou a ânsia de te ter, deixas que a ternura tome conta de ti. E esperas preso num momento que quer mais e ainda assim quer segurar o agora.

Permaneço abraçada a ti, rosto deliciado no teu peito. Os teus lábios beijam-me os cabelos, depois o rosto. Sinto a tua respiração quente que se imiscui na minha boca. Procuro resistir. Fazer perdurar aquele momento.

Os meus lábios beijam o teu peito. Em pontas de pés, beijam o ombro... o pescoço. Tocam ao de leve na tua pele. Absorvem o teu cheiro. Molhados,  beijam-te novamente a pele. Conquistam o teu sabor.

 

Follow me now
To a place you only dreamt of
Before I came along

When I first saw you
I was deep in clear blue water
The sun was shining
Calling me to come and see you
I touched your soft skin
And you jumped in with your eyes closed
And a smile upon your face

 

 

Apercebo o meu corpo que já se insinua contra o teu. E o teu que começa a responder ao apelo do meu. Mordo-te delicadamente o ombro... o pescoço. Apercebo a tua boca que quer a minha... e resisto. Mordo-te o outro ombro. Beijo-te a pele... o pescoço. Perco-me no teu pescoço, no teu perfume, no cheiro da tua pele. Perco-me. No teu abraço. Encontro-me... em ti.

Sinto com se não te tivesse à muito. Uma saudade que rói por dentro. Uma fome... de ti. Não resisto mais... lanço-me no teu beijo. Os teus lábios esperavam impacientes pelos meus e as tuas mãos acompanham-nos agora. A tua boca recebe a minha, ambas insaciáveis. Queriam-se insaciavelmente e beijam-se agora insaciáveis. Um beijo que é querer. Entrega. Um beijo que somos nós. E que nos reduz. A um beijo.


 


música: Underwater Love - Smoke City

publicado por blue258 às 13:15
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (9) | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

#38 Dança comigo

 

Uma harmonia deliciosa espraia-se pela casa.  Entusiasma a madeira. Trespassa a pedra.  Desafia a areia. Insinua-se no mar. Perde-se na crista das ondas.

Vem almoçar a casa. Salada de legumes frescos e  nozes. Lombo assado com ananás. Vinho tinto.  Tons de vivacidade polvilhados pelas orquídeas selvagens, aqui e ali.  Azuis profundos, roxos exuberantes, amarelos luminosos, vermelhos imperiais. Vem almoçar a casa... aquela, na praia, sem vizinhos por perto.

 

Oiço-te chegar. Espero-te à porta. Entras e beijas-me num abraço. Aquele abraço que alimenta... e tempera a alma. E nesse mesmo abraço  enlaço-te firmemente pela cintura e a minha boca suspira: dança comigo.

Num abraço ainda mais apertado, beijas-me o pescoço, os ombros... as tuas mãos percorrem as minhas costas, o pescoço, os ombros... também elas beijam. Também elas querem beijar. A tua mão esquerda afunda-se no meu cabelo e a direita conquista os meus lábios... que sem demora cedem aos teus.

Com esse olhar enlevado de ternura... o mesmo que tens neste momento, sorriso malandro nos lábios, esse, esse mesmo que te aflora agora aos lábios, apertas o meu corpo contra o teu, e sussurras ao meu ouvido:

 

When we dance, angels will run and hide their wings

 

 

E eu entrego uma vez mais a minha boca à tua. Dou-me por inteiro num só beijo. No teu beijo. E num beijo sabes que sou tua. Um beijo que é entrega mútua. Beijamo-nos como se o amor não tivesse fim. Os corpos rendem-se à paixão... As almas ao amor.

 

 

The priest has said my soul's salvation
Is in the balance of the angels
And underneath the wheels of passion
I keep the faith in my fashion
When we dance, angels will run and hide their wings

 




música: When We Dance - Sting

publicado por blue258 às 19:41
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (4) | favorito
|
Sábado, 24 de Abril de 2010

#35 Sede de querer

 

 

Deitados num leito de mel, envoltos num manto branco de plumas: o mundo parece resumir-se a esta cama de  madeira maciça, de linhas direitas e imponentes.  A este quarto dominado pelos tons terra e da natureza: o castanho da madeira, o verde das flores frescas. Ao mel que nos une, à reflexão da luz no vidro, à sua refracção na água. Ao vento que embala os tecidos que vestem o quarto. Aos corpos despidos.  À pele nua.  A ti. A mim. A nós.

 

Air stands still
And I can't move
Time has stopped
At one look through
Colours fade the walls out loud

 

O teu braço esquerdo que me abraça, que me cerra contra ti. Eu, encaixada, e virada para ti. A cabeça pousada no teu braço, as minhas pernas entrelaçadas nas tuas. Beijo-te a parte interna do ombro. Cada saliência, cada depressão. Beijo com os lábios, com a respiração quente e doce. Numa trajectória descendente,  percorro vagarosamente cada espaço entre as tuas costelas, até à anca. Beijo, envolvo a pele com os lábios, brinco com a língua. E assim me deixo estar, até que um de nós adormeça.

 

Something inside me says
I am still waiting for the hurricane
And where is the missing piece?
You.. you have taken it
And a part of me

 

Dormes. Encosto a respiração à tua pele. Acaricio ao de leve os teus lábios.  O teu rosto. Vagueio pelo pescoço, pelos ombros... sigo a linha das tuas costas... com a  língua. Serpenteio, beijo-te a pele, cubro-a de pequenos e leve beijos. Assimilo o teu perfume. O teu cheiro. O aroma do tabaco na pele. Tudo, em ti, é delicioso... tudo.

 

Downstairs scares me
Outside sounds like ghosts are
quietly playing vibes
Days in shape of hide me, please

 

 

Faço-te arrepiar... Acordo-te. Em resposta, esse olhar profundo que lanças em busca do meu. Como brilham esses olhos castanhos... como brilham!  O teu sorriso malandro, que reconhece a minha provocação. A tua pele nua, que apenas quer respirar a minha. O teu corpo, que já pede  o meu. O teu cheiro, que apenas se quer entranhar no meu... como eu me entranho no teu.

Lanças os lençóis ao ar, e num rompante, o teu corpo na procura do meu,  a tua boca na minha e nós enlaçados num abraço cheio de querer. Querer... oh querer! Este querer que nos arrasa a pele, este querer que nos reduz à avidez com que as nossas bocas matam a sede. Este querer que se reduz a esta sede. Uma sede de querer. De te querer... a ti.

 


Home has the echo as a friend
So I leave the bed unmade
All day


música: Air stands still - Pati Yang

publicado por blue258 às 17:07
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (5) | favorito
|
Sábado, 6 de Março de 2010

...


Lábios pintados de vermelho. 

 

Apetecíveis. Irresistíveis. 

 

Boca, a querer beijar.

 


publicado por blue258 às 21:15
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (3) | favorito
|
Domingo, 28 de Fevereiro de 2010

#33 Puro prazer (talvez precise de bola vermelha no canto, talvez...)

 

 

 A minha boca delicia-se com a tua pele, mescla o doce e o salgado, estremece com o calor do teu corpo, e nele deixa um rasto  de saliva doce. Saliva. Marcas do desejo... na tua pele, no teu corpo.

Suave e lento, veloz e forte. Suave e lento... mordia-te agora, mas não. Suave e lento.  Sei que a expectativa te desespera. E provoca. E eu quero provocar-te. Suave e lento. Deslizo as mãos pelo teu tronco, apertando-te firmemente.

 


... )

 

 

 P.S.: Música roubada ao Alex

 


publicado por blue258 às 22:30
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (15) | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

A sobremesa que eu queria agora

Os teus lábios. A tua boca. O teu beijo.

 


publicado por blue258 às 20:10
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (2) | favorito
|

.10 anos, 10 razões :)

10 anos de Blogs do SAPO

.mais um pouco de azul


. procura-me

. segue-me

. 101 seguidores

.azuis recentes

. Saboreia-me

. ...

. Gente,

. #42 Have me in your arms

. # 41 E tu... (bolinha ver...

. #40 Quero-te. Já. Agora. ...

. #39 Lugares

. #38 Dança comigo

. #35 Sede de querer

. ...

.a cor da minha música

.pesquisa-me

 

.arquivos azuis

.azul também por aqui:

.links

.favoritos

. este mundo que nos ensina...

. passando, sem ficar.

. quando o medo te assalta.

. um abraço. o meu lugar.

. como comer sushi como um ...

. A Dani, segundo a MilVeze...

. ...

. abre parêntesis

. menos não (me) chega.

. 30 coisas sobre ti (que n...

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds