Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2015

...

10897040_1023908710957001_6663289627598802356_n.jp

 


publicado por blue258 às 22:48
link do post | dá-me um pouco da tua cor | favorito
|
Terça-feira, 9 de Novembro de 2010

There's no place like home. Nothing as the sea.

Tenho de ir a casa: faço-me à estrada, penso no mau tempo para conduzir, no mal-estar que sinto. Aguento: falta pouco. Chego e vou em direcção ao mar. Preciso de sentir a maresia, o vento, o frio. Preciso de me sentir viva. Preciso de abafar os pensamentos e lembrar-me de mim.

E é isso o que o mar faz: lembra-me de mim. E numa altura em que eu quis/quero/continuo a querer colo, o teu colo, fui até ao extremo, àquele sítio, aquele, onde o rio encontra o mar. Saio do carro. Sinto o vento forte. A humidade. O cheiro a maresia. Deixo que se entranhe em mim. O mar em mim. A força do mar. É nestas alturas em que temos de ir buscar forças bem dentro de nós, eu sei. E eu fui buscá-las ao mar. Deixei que o mar me lembrasse da minha própria força.

Nem as luzes vejo ao longe. Nada. Centro-me então no mar. Neste mar. No que me resta. No barulho ensurdecedor. Dor. Esqueço as luzes que não vejo e procuro o que está diante de mim. Vejo as águas da chuva cor de prata estendidas a meus pés. O céu, as nuvens que se reflectem nela. Viro-me novamente para o mar. Para o mundo que espera por mim.

Regresso com o sentimento que me pede para arregaçar as mangas e me diz que tenho de ser eu, e só eu, a pegar nos pedaços e a construir o que quero para mim.

 

 

 

tags: , , ,

publicado por blue258 às 21:35
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (10) | favorito
|
Domingo, 10 de Outubro de 2010

Dos roubos

 

Quando encontramos algo (palavras, fotografias, sentimentos ou momentos), que vai dentro da linha do que andamos a escrever, a pensar ou até a sentir (ou porque simplesmente nos diz tanto), roubamos.

Harold Ross

 

 

 

Não havia luz que te tornasse melhor

 

«Não havia luz que te tornasse melhor. Apagaram-se porque sopraste da frente os pedaços que te ligavam ao mundo. E correste. Correste pela encosta e não deixaste que te apanhasse. Ao invés, troçavas do cansaço dos dias e das horas em que sinto falta de ti.

O que te faz desligar e reinventar todas as vezes que deixamos a nossa casa e nos aventuramos nas vidas dos outros? Queres conquistas? Fazemo-las todos os dias, cada um com mais sorte que o outro. E crescem os dias. Levam-nos com eles as milagrosas manhãs de neblina em que abraçados vencemos o frio e acabámos deitados.

No cimo da encosta que subimos, cada um com sua vontade, escrevemos palavras de amor numa correria desenfreada.

Pelo caminho deixámos a vida que os outros querem para nós e que nos sugerem todos os dias. Mal sabíamos, que um dia, seria a nossa a que chegaria primeiro.»

 

 

Liliano Pucarinho, no night indigo

 

 


publicado por blue258 às 15:05
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (3) | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

...

«Meu amor, não quero mais palavras rasgadas. Nem o tempo cheio de pedaços de nada. Não me dês sentidos para chegar ao fim. Meu amor, só quero ser feliz. Meu amor, não quero mais razões para apagar o que nasce e renasce e nos faz acordar. A loucura faz medo se for medo o teu chão, mas é ar e é terra dentro do coração. É ar e é terra dentro do coração. Meu amor, não quero mais silêncio escondido. Nem a dor do que cai em cada gesto ferido. Quero janelas abertas e o sol a entrar. Quero o meu mundo inteiro dentro do teu olhar. Eu quero o meu mundo inteiro dentro do teu olhar. E hoje vê, a estrada é feita para seguir. E hoje sente, a vida é feita de sentir. E hoje vira do avesso o mundo e vê melhor. Deste lado é mais puro, é teu, é tão maior. Deste lado é mais puro, é meu, é tão maior.»

 

(Mafalda Veiga, Estrada)

 

 


Roubado do Abraça-me bem.  E ironia do destino: abraça-me bem.



publicado por blue258 às 22:57
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (5) | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

...

Pendem sobre mim decisões importantes a tomar. Passos a dar. Abate-se sobre mim a dúvida, a incerteza. Velhos medos que nem sequer eram meus, nunca foram meus. Duvido de mim. Da minha força. Das minhas capacidades.

 

Sinto precisar de ti como nunca. Porque agora sei o que é estar a sufocar e receber o fôlego que me faltava para respirar. Sei que preciso de bastar-me a mim própria, sei disso, mas não consigo, ainda não consigo. Tenho de conseguir. Sei que tenho. Mas seria muito mais doce contigo ao meu lado. Dá-me a mão. Basta dares-me a mão. Se me sentires tropeçar, aperta-me a mão com força. Se me sentires perder as forças, cerra o meu corpo contra o teu, se me sentires perder o chão, abraça-me. Abraça-me forte.

 

[Se me sentires não querer o azul do céu, encosta o teu rosto ao meu. Se me sentires perder a vontade do mar, beija-me. Beija-me. E provoca o maremoto de novo dentro de mim. Beija-me nos teus braços. Encerra o meu mundo num só abraço. Faz-me voltar a sentir completa. Faz-me voltar a sentir eu.]

 


publicado por blue258 às 15:27
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (16) | favorito
|
Quinta-feira, 10 de Setembro de 2009

O mundo da blogosfera

 

 

Nem vos sei explicar que sentimento é este que me corre pelas veias - um tumulto que sinto cá dentro: um querer desligar, sem na verdade o querer realmente. Faz sentido? Algum? Nenhum? Não me perguntem nada... pois nem eu sei.  

 

 

 Nem eu sei começar por dizer como me sinto...

 

 

O mundo da blogosfera, é tal e qual o mundo real. Aqui, há de tudo. E por haver de tudo, eis o que vejo:

"Amigos" que encerram os blogues.

Blogues com os comentários a "sete chaves".

"Amigos" que colocam os blogs em stand-by, porque eles próprios precisam dessa pausa.

 

Vejo o mundo f#dido de lá de fora, bem representado aqui dentro.

 

 

 

Sim, sou ingénua. Queria um porto de abrigo - queria poder ser eu, livremente eu. Simplesmente eu. Mas a verdade é que nunca deixamos de ser nós - mas o nós cá de fora - carregamo-lo connosco, para todo o lado. Não há escape possível. Ou há?

Portos de abrigo - serão possíveis? Sim, penso que sim. Pelo menos enquanto duram. E há que aproveitar enquanto dura.

Pergunto-me é se, quando acabam, acabam por tudo eventualmente terminar... ou se terminam com a tomada de consciência de que não existe tal coisa?

 

 

 


publicado por blue258 às 23:37
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (7) | favorito
|
Sábado, 15 de Agosto de 2009

Life is one big stage

 

Não importa qual o palco, não importam os actores... a realidade é que as normas e regras da sociedade nos reduzem, nos anulam, nos privam de sermos a totalidade do que somos... daí que encontrar pessoas com as quais podemos ser nós próprios, na nossa totalidade, bem, talvez, sim talvez, seja esse o caminho para a felicidade.
No entanto, mesmo assim, corremos o risco de sofrer - se nós próprios nos emaranhamos no mundo privado do que somos - por vezes poderá ser demais flutuarmos num universo de mundos semelhantes... o propósito será pensarmos que vale a pena embarcar nessa viagem - apesar dos riscos envolvidos. Mas esse risco... bem, está sempre presente - creio que faz parte da vida.

 

 

 

  P.S. Comentário a este post aqui no Blogue da Maggie.

         E por achar que ao comentar deixamos sempre um bocadinho nosso, por achar que isto se aplica ao momento, ao amor, à vida - a mim, a ti, a ti e a ti também, por me terem ficado estas palavras no pensamento... achei que merecia um post. 

 

 


publicado por blue258 às 20:06
link do post | dá-me um pouco da tua cor | favorito
|

.10 anos, 10 razões :)

10 anos de Blogs do SAPO

.mais um pouco de azul


. procura-me

. segue-me

. 101 seguidores

.azuis recentes

. ...

. There's no place like hom...

. Dos roubos

. ...

. ...

. O mundo da blogosfera

. Life is one big stage

.a cor da minha música

.pesquisa-me

 

.arquivos azuis

.azul também por aqui:

.links

.favoritos

. este mundo que nos ensina...

. passando, sem ficar.

. quando o medo te assalta.

. um abraço. o meu lugar.

. como comer sushi como um ...

. A Dani, segundo a MilVeze...

. ...

. abre parêntesis

. menos não (me) chega.

. 30 coisas sobre ti (que n...

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds