Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010

All I want

O teu olhar. O teu sorriso. A tua voz a sussurrar-me ao ouvido. A tua respiração a arrepiar-me a pele. O teu cheiro. O teu beijo molhado no qual naufrago. O teu toque.  O calor do teu corpo. O meu peito de encontro ao teu.  O teu abraço do tamanho do mundo. O meu coração que parece querer saltar e afundar-se no teu.

 

 

 


publicado por blue258 às 01:01
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (3) | favorito
|
Terça-feira, 26 de Outubro de 2010

...

Eu acho que ao contrário de muitas mulheres, os homens não enrolam nestas coisas do "estar a fim". Ou querem e mostram que querem, ou não querem e não há cá dúvidas.*

 

Miss Glitering, no às nove no meu blog

* Ler texto na íntegra aqui.

 

 

 

Quer os homens, quer as mulheres, sabem bem quando querem, o que querem e como querem. Vá, assumo a possibilidade de estarmos sujeitos a algumas nuances no que toca aos dois últimos pontos, mas a verdade é que sabemos bem quando queremos. É que nem há como enganar, nem por onde contornar o assunto, sabemos quando queremos. Sabemos.

Sabemos perfeitamente quando uma amizade começa a galgar as margens - tal e qual rio endiabrado - e a transbordar para outro campo. Sabemos. Sabemos que quando aquele moreno misterioso  nos visita o pensamento este e outro dia, sabemos que não nos é indiferente. Sabemos. Sabemos perfeitamente que quando aquele fulano não nos sai da cabeça, faça-se o que se fizer, estamos fodidas (nunca sei se é com "u" ou com "o", desculpem lá).

E o caricato da vida, é o malabarismo de situações com o qual ela nos presenteia. Mesmo sem termos pedido. Mesmo sem andarmos à procura.

 

 

O que nós fazemos em determinada situação, e em cada caso específico, isso sim, já depende muito de cada um. Porque, convenhamos, há o caminho quase lógico a seguir, ou o mais fácil, quiça o escolhido por todos ou quase todos. Caminhos, decisões, escolhas. E tudo depende de nós. A vida depende de nós. E a vida é o que nós fazemos dela. ou tentamos. Pelo menos tentamos.

 


 

 

 

 

 

P.S. Este post parece ter começado com um propósito. Parece. Se algures pelo meio me perdi, a verdade é que no fim, acabei por  mesmo por me perder. Ponderei até apagar este post. Mas a vida tem coisas destas, tem, e é desta forma, que aqui ficam registadas.

 

 


publicado por blue258 às 22:17
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (5) | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Outubro de 2010

Vem, e serei tua, tua, na rua que nos leva a ver o mar. Naquela rua. Naquela.

 

 

Vem e serei teu na rua que nos leva a ver o mar

 

«Hoje fiz das tuas mãos o meu fogo. Não vês que fujo por entre cada uma das tuas palavras e não acredito numa só? Porque nas madrugadas em que te amo, toco o teu coração mais um pouco e perco-me dentro de ti e da tua vontade.

E esse aperto que me mata por dentro a razão, e esse teu olhar que me consome de longe querendo-me perto…  Desculpa se te faço chorar nas noites em que mais precisas de mim. Se de longe te rompo a alma que amo e que nos juntou. Não foi sorte, foi desejo. E quanto não é tão mais forte a vontade que qualquer trejeito do destino…

Os meus braços estão vazios sem ti.

Volta. Traz esse sorriso para perto de mim. Vamos ser nós nessa encosta de sol que suja de amarelo as estradas. Vem cantar-me ao ouvido, vem! E no encontro das nossas mãos encontraremos-nos felicidade em dias calmos.

Vem. Vem para a minha mão e serei teu na rua que nos leva a ver o mar. É duro e feio de se desejar. É tão grande a vontade que não posso ter-te.

Mas vem. Sou tudo para que sejas feliz sem me perguntares porquê!»

 

 

 

Liliano Pucarinho, no night indigo

 

 

 

P.S. Gajos que escrevem bem. Porra, gajos que escrevem tão bem!

E palavras, palavras, que se adequam. Que dizem. Tanto. Tanto.

 

 

 


publicado por blue258 às 13:27
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (6) | favorito
|
Sábado, 25 de Setembro de 2010

...

 

Porque eu sou terra. Sou água. Sou chuva, rio e mar. Sou as luzes que se reflectem nas águas. Sou o crepúsculo que abraça a cidade. Fui pele, paixão tórrida e querer louco. Fui areia, sol, mar, lua e estrelas. Fui. Deixo que me invada agora o Outono e procuro que me tempere a alma e apazigue o coração. Procuro ser... Eu.

 

 


publicado por blue258 às 01:15
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (13) | favorito
|
Terça-feira, 14 de Setembro de 2010

# 45 When a tornado meets a volcano

 

O dia parece soçobrar pelo peso da noite que impiedosamente se abate sobre ele. O céu parece querer libertar as águas que aí aprisiona. Querer. Até o céu tem querer. O mar que retumba sem parar, parece agitado, não pela força do vento estranho que lhe escarpa as ondas, mas pela tempestade que se quer formar. Querer. Há um querer que se foi alimentando durante o dia, sorvendo tudo à sua volta, acrescentando, engolindo tudo em que toca, encrespando-se na crista de um tornado, impulsionado pela demora de ter. De te ter.

 

 

 

just gonna stand there and watch me burn
that’s alright because i like the way it hurts

 

A sala quente, crepitante,  vibra quase silenciosamente nos aromas de laranja e canela, nos tons alaranjados que a compõem.  Um vulcão. És lava que me corre nas veias. Que me incendeia. E eu sou tempestade. Os meus desejos parecem comandar  os ventos, as marés, a cadência da chuva e das estrelas. Abres a porta, e os ventos inflamam o incêndio que me queima a pele. E ao entrares, trazes contigo o tornado que te espera. Voas para os meus braços, e é o meu fogo que te queima a pele.  Sou eu que te consumo, que te quero consumir, que me consumo a mim própria contigo. Em te querer. Querer. Este querer que balança no ar, contagiando-nos, aliciando-nos, iludindo os sentidos.

 

Os corpos envolvem-se numa dança que conhecemos tão bem. Sabem de cor os passos, mas sinto-os improvisar a cada toque, a cada arrepio. O sabor da pele dita o compasso da entrega. De te receber. De te ter.

E os meus braços perdem-se nos teus. A minha boca palminha o teu corpo, tacteando cada centímetro, na escuridão intrincada. O meu cheiro dispersa-se no teu. O teu sabor grava a passagem por cada recanto do meu corpo. Os teus dentes marcam-me os ombros. As minhas unhas marcam-te as costas. Cedemos. Soçobramos sob a fúria que se abate sobre nós. Somos tempestade. Somos.

 

Encostamos os corpos suados à vidraça gotejante da sala. O mar, lá fora, reage à provocação da cadência dos nossos corpos desnudos. Vergamos os  corpos ao desejo, amamos, sugamos a vida, consumimos a energia sem fim. Pára. Sentes? Juntos originamos um terramoto violento, cujo epicentro se forma aqui mesmo. Aqui. E agora.

 

 

música: Love the way you lie - Eminem ft Rihanna

publicado por blue258 às 23:04
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (6) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Setembro de 2010

...

E a noite... foi perfeita para fugir de casa, levar de assalto este querer e abraçá-lo na noite perdida. Sentir o cheiro  doce da chuva. Voltar, e trazê-lo de novo comigo.  Trazer-te comigo.

 


publicado por blue258 às 00:47
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (2) | favorito
|

...

O dia de hoje foi belíssimo*  para ronronar, aconchegar a pele, sentir as páginas dos livros fluirem por entre os meus dedos e a alma esquecer-se de si. Esquecer-me de mim. Ou pensar única e exclusivamente em mim.

 

 

* e para conversas que roçam a pele, marcam o corpo e incendeiam a alma. Há um tempo (vontade) para tudo.


publicado por blue258 às 00:21
link do post | dá-me um pouco da tua cor | favorito
|
Domingo, 22 de Agosto de 2010

...

A minha pele delira com este querer. O meu corpo vibra por te querer. A minha alma pede terramotos. Ao encontrar a tua, cadencia maremotos. Naturalmente incontornáveis. Querer-te. Querer.

 

tags: ,

publicado por blue258 às 21:11
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (20) | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Julho de 2010

Para que saibas

Não é por me calar que não te quero ou deixei de te querer. Continuo a querer-te. E o querer não mudou. Apenas se metamorfoseou, emudecendo as palavras.

E quero-te da mesma forma ou de outra forma diferente perante as evidências. Mas o querer é o mesmo. O querer  que sinto no bater descompassado do coração quando leio o teu nome. O querer que apercebo pelo entontecer quando te vejo. O querer que me faz perder na doçura das tuas palavras quando as releio. Continuo a querer-te.

 

 

 

Me callo porque es más cómodo engañarse.

Me callo porque ha ganado la razón al corazón.

 


publicado por blue258 às 22:17
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (17) | favorito
|

Eu tento calar o coração...

Eu bem tento calar-me... mas como é isso possível, se leio nas palavras dos outros o que sinto. O que quero. O que me diz o coração.

 

«Tenho vontade de ti, de esquecer as horas, de te amar, da loucura (...) e terminar os dias com a cumplicidade das nossas pernas entrelaçadas.»

 

Mil vezes mais


publicado por blue258 às 14:48
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (13) | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

#42 Have me in your arms

I was a heavy heart to carry, my beloved was weighed down. My arms around his neck, my fingers laced to crown.

I was a heavy heart to carry, my feet dragged across the ground... and he took me to the river, where he slowly let me drown.

My love has concrete feet. My love's an iron ball. Wrapped around your ankles... over the waterfall.

 

 

 

Cala-me. De paixão. Atordoa-me. De querer. Sufoca-me. De desejo. Mata-me. De prazer. Morde-me o pescoço, os ombros. Marca-me a pele. Tolda-me o espírito. Acorrenta-me. Prende-me com a paixão. A ti, a ti, a ti.

Encaixada, enlaçada. Presa, perdida. Os meus braços, no teu pescoço.  Os teus, sustentam o peso do meu corpo. A minha boca, na tua pele. A tua, desvairada, morde, beija e marca. As minhas pernas envolvem-te pela cintura. As tuas, encaminham-nos para o mar.

 

Corpos entrelaçados sob um manto escuro, sobre uma cama molhada. E a água fria beija-nos a pele. Arrepia a exultação dos corpos na água. A animação do teu... no meu. E do meu, do meu, do meu...

Abraço. Arranho. Beijo. Mordo.  Sacio a fome. A fome... Mitigo a sede. A sede... Do teu corpo. Da tua boca. De ti.

Solto o teu pescoço. Deito as costas no mar. Pairo sobre a água. Agarro o céu.  As tuas mãos comandam sucessivas invasões. Fortes e destemidas.

Abrandas o ritmo. Avanças... e eu deliro. Recuas... e eu espero, insaciável.

A cadência das estrelas. O compasso do mar.  O balanço dos corpos. O batimento do coração. A força  maior que rege o universo.

E eu sou tua. E tu, meu. E eu recebo-te, todo. Em mim, em mim, em mim.

 

 

This will be my last confession... I love you never felt like any blessing. Whispering like it's a secret, only to condemn the one who hears it with a heavy heart. I was a heavy heart to carry, my beloved was weighed down. My arms around his neck. My fingers laced to crown.

 

I was a heavy heart to carry
But he never let me down
When he had me in his arms
My feet never touched the ground

 


música: Heavy in your arms - Florence + The Machine

publicado por blue258 às 00:41
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (4) | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Junho de 2010

#40 Quero-te. Já. Agora. (bolinha vermelha, mas pequenina... pequenina)

 

 

 

Os meus lábios perdem-se nos teus. As nossas bocas envolvem-se na saliva doce. O meu corpo  balança de encontro ao teu. Descubro a tua pele... e saboreio-te. Beijo-te, mordo-te, quero-te todo neste beijo. Quero-te. Já. Agora. Quero-te!

 

I can hardly wait

 

As minhas mãos perdem-se no teu corpo. As tuas não largam o meu. E a tua boca beija a minha sem pudor, marca-me o pescoço e morde-me os ombros. E eu gemo e deliro. E balanço o meu corpo de encontro ao teu.

As  minhas mãos percorrem a tua pele ávidas de desejo. E eu quero-te. Já. Agora. Quero-te. E é este mesmo desejo que não nos deixa chegar a casa... aquela, na praia, sem vizinhos por perto.

 

It's been so long
I've lost my taste
Say angel come
Say lick my face
Let fall your dreams
I'll play the part
I'll open this mouth wide
Eat your heart

 

I can hardly wait

 

Unes os nossos corpos num abraço apertado. Nem o desejo permites respirar. A boca, ofegante, morde-te a orelha:  Tenho fome de ti. Quero-te. Já. Agora.

Deliras com a certeza do meu querer. O teu corpo quer o meu e sem demora. Num rompante, fazes da duna, sofá. E já eu liberto o teu corpo da camisa. Arranho-te as costas. Mordo-te os ombros. Beijo-te a morder. É a fome deste querer. De te querer. E eu quero-te. Como te quero!


Lips cracked, dry
Toungue blue burst
Say angel come
Say lick my thirst
It's been so long
I've lost my taste
Here Romeo
Make my world as great

 

Prevejo o meu corpo na areia fria. Deliro ao sentir as tuas mãos no meu corpo quente. A tua boca, na minha. O teu beijo, no meu. E eu bebo despudoradamente o teu sabor. E a sede da minha pele quer engolir a tua. Tenho sede...  sede de ti.

E deixo-me perder no teu beijo molhado. Deixo a saliva marcar-te de desejo. Saboreio o teu na minha pele. As minhas pernas enlaçam-te pela cintura. Prendem-te contra mim. A minha boca não deixa a tua. As minhas mãos saciam-se da vontade do teu corpo. Fome. Sede. Fome. Sede. Fome... e sede.

Capturados num abraço de querer. Um abraço que é desejo. Mordo-te. Beijo-te. Deliro. Gemo. Quero. Quero-te. Já. Agora. Aqui.

 

 

 


sinto-me: I Can Hardly Wait - J. Lewis

publicado por blue258 às 14:14
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (11) | favorito
|
Quinta-feira, 20 de Maio de 2010

...

«Basta. Estou fora. Das lembranças. Do passado. Mas também estou fora da minha cabeça. Mais tarde ou mais cedo, as coisas que deixamos para trás acabam por nos apanhar. E, quando estamos apaixonados, recordamos as coisas mais estúpidas como sendo as mais belas. Porque a sua simplicidade não tem nada que se lhe compare. E apetece-me gritar. Neste silêncio que magoa. Basta. Deixa lá. Arruma tudo de novo. Pronto. Acaba. Dupla ordem. No fundo do coração, ali naquele canto. Naquele jardim. Uma ou outra flor, alguma sombra e depois dor. Põe ali as lembranças, bem escondidas, tem cuidado, onde não façam doer, onde ninguém as possa ver. Pronto. De novo enterradas. Agora está melhor. Muito melhor.»

 

 

Federico Moccia em "Quero-te Muito!"

 

 

Roubado daqui.

 


publicado por blue258 às 09:34
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (9) | favorito
|
Domingo, 25 de Abril de 2010

...

 

[i can read]

tags: , , ,

publicado por blue258 às 20:20
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (4) | favorito
|
Sábado, 24 de Abril de 2010

#35 Sede de querer

 

 

Deitados num leito de mel, envoltos num manto branco de plumas: o mundo parece resumir-se a esta cama de  madeira maciça, de linhas direitas e imponentes.  A este quarto dominado pelos tons terra e da natureza: o castanho da madeira, o verde das flores frescas. Ao mel que nos une, à reflexão da luz no vidro, à sua refracção na água. Ao vento que embala os tecidos que vestem o quarto. Aos corpos despidos.  À pele nua.  A ti. A mim. A nós.

 

Air stands still
And I can't move
Time has stopped
At one look through
Colours fade the walls out loud

 

O teu braço esquerdo que me abraça, que me cerra contra ti. Eu, encaixada, e virada para ti. A cabeça pousada no teu braço, as minhas pernas entrelaçadas nas tuas. Beijo-te a parte interna do ombro. Cada saliência, cada depressão. Beijo com os lábios, com a respiração quente e doce. Numa trajectória descendente,  percorro vagarosamente cada espaço entre as tuas costelas, até à anca. Beijo, envolvo a pele com os lábios, brinco com a língua. E assim me deixo estar, até que um de nós adormeça.

 

Something inside me says
I am still waiting for the hurricane
And where is the missing piece?
You.. you have taken it
And a part of me

 

Dormes. Encosto a respiração à tua pele. Acaricio ao de leve os teus lábios.  O teu rosto. Vagueio pelo pescoço, pelos ombros... sigo a linha das tuas costas... com a  língua. Serpenteio, beijo-te a pele, cubro-a de pequenos e leve beijos. Assimilo o teu perfume. O teu cheiro. O aroma do tabaco na pele. Tudo, em ti, é delicioso... tudo.

 

Downstairs scares me
Outside sounds like ghosts are
quietly playing vibes
Days in shape of hide me, please

 

 

Faço-te arrepiar... Acordo-te. Em resposta, esse olhar profundo que lanças em busca do meu. Como brilham esses olhos castanhos... como brilham!  O teu sorriso malandro, que reconhece a minha provocação. A tua pele nua, que apenas quer respirar a minha. O teu corpo, que já pede  o meu. O teu cheiro, que apenas se quer entranhar no meu... como eu me entranho no teu.

Lanças os lençóis ao ar, e num rompante, o teu corpo na procura do meu,  a tua boca na minha e nós enlaçados num abraço cheio de querer. Querer... oh querer! Este querer que nos arrasa a pele, este querer que nos reduz à avidez com que as nossas bocas matam a sede. Este querer que se reduz a esta sede. Uma sede de querer. De te querer... a ti.

 


Home has the echo as a friend
So I leave the bed unmade
All day


música: Air stands still - Pati Yang

publicado por blue258 às 17:07
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (5) | favorito
|

.10 anos, 10 razões :)

10 anos de Blogs do SAPO

.mais um pouco de azul

.azuis recentes

. All I want

. ...

. Vem, e serei tua, tua, na...

. ...

. # 45 When a tornado meets...

. ...

. ...

. ...

. Para que saibas

. Eu tento calar o coração....

.a cor da minha música

.pesquisa-me

 

.arquivos azuis

.azul também por aqui:

.links

.favoritos

. este mundo que nos ensina...

. passando, sem ficar.

. quando o medo te assalta.

. um abraço. o meu lugar.

. como comer sushi como um ...

. A Dani, segundo a MilVeze...

. ...

. abre parêntesis

. menos não (me) chega.

. 30 coisas sobre ti (que n...

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds