Sábado, 30 de Maio de 2009

Decode

As pessoas não são todas iguais - certo? Até aqui concordam comigo.

Umas parecem levar a vida, com os seus altos e baixos, como a chuva que caía no outro dia - caía porque tinha de cair - e pessoas há que levam então a vida como quem tem que a levar - porque se tem de a viver e não vale a pena pensar mais nisso. Quantas infindáveis vezes ouvimos alguém dizer: a vida é assim?

 

Outro tipo de pessoas há - vou atrever-me a designá-las pensantes - que pensam até doer. Quer se tratem de aspectos importantes, ou mesmo banais e porventura insignificantes - para a restante maioria, claro. 

 Nunca ninguém consegue conhecer-nos totalmente - certo? Não percebem a realidade do nosso ser - não conseguem conhecer-nos como realmente somos - não conseguem sequer saber o que pensamos - mesmo no exacto momento em que com elas encetámos uma conversa, não imaginam por onde anda o nosso pensamento. Alguns continuam a concordar comigo, certo?

 

Ontem, e não posso deixar de me rir, andei com uma ideia no pensamento, e passo a explicar como me surgiu:

 

No dia-a-dia, temos de nos relacionar com as outras pessoas - como indivíduos integrantes da sociedade, tem de ser - na escola, na universidade, no trabalho, no supermercado, no café - somos obrigados a manter aquelas conversas que no fundo, bem cá dentro, não nos dizem nada. Nada. O vento tem mais significado.

 

E o que é que me ocorreu então?

Se o nosso corpo pudesse ter a função de ipod: os olhos mostravam aquelas linhas da batida da música, o título da faixa, nome do álbum e autor; os ouvidos poderiam ser como colunas e transmitir o som - não estava presente a função de ouvir  - só transmitíamos a música, nada mais.

 

Logo, ao olharem para nós, os restantes demais, já sabiam: nada de conversas dispensáveis. Hoje pelo menos não. E podiam oferecer-nos um sorriso ou até um aceno com a mão. Nós simplesmente, e por razões de boa educação, assentíamos ao seu gesto com a cabeça. Perfeito, não?

 Obviamente, que da parte de outros, a reacção não seria esta, não. Seria mais do tipo, cara-carrancuda-que-mostra-de-tal-forma-o-que-estão-a-pensar-que-já-sabemos: olha-me esta outra vez, é mais do mesmo. Quanto a estes, a função ipod a tocar, permitia-nos simplesmente ignorar (só mais tarde, quando desligássemos a função ipod, ou  à noite se calhar, é que iríamos analisar os rostos que por nós passaram).

 

Ah! Não posso deixar de referir, e com muito agrado meu, devo dizer, que para grande felicidade do meu ser, encontraria na rua outros em função ipod, tal como eu. E isso provocaria um sorriso infindável no meu rosto. Seria provavelmente o único motivo de alegria do dia. E quando uso o pronome nós, e não tão somente o eu, é porque sei que mais há por aí, destes seres pensantes. 

 

E podíamos então ser nós, durante todo o dia. Simplesmente nós. Naqueles dias em que falar é um sacrifício, e uma música parece dizer e encarnar tudo aquilo que sentimos, bastava pôr ipod on e deixar a banda sonora do dia tocar.

 

 

 

 

How can I decide what’s right?
When you’re clouding up my mind
I can’t win your losing fight
All the time

Nor could I ever own what's mine
When you’re always taking sides
But you won’t take away my pride
No, not this time
Not this time

How did we get here
When I used to know you so well?
How did we get here?
Well, I think I know

The truth is hiding in your eyes
And it’s hanging on your tongue
Just boiling in my blood
But you think that I can’t see

What kind of man that you are
If you’re a man at all
Well, I will figure this one out
On my own

(I'm screaming, I love you so)
On my own
(But my thoughts you can't decode)

How did we get here?
When I used to know you so well?
How did we get here?
Well, I think I know

Do you see what we’ve done?
We’re gonna make such fools of ourselves
Do you see what we’ve done?
We’re gonna make such fools of ourselves

How did we get here
When I used to know you so well?
How did we get here
When I used to know you so well?

I think I know
I think I know
There is something I see in you
It might kill me, I want it to be true

 

 

 

 


publicado por blue258 às 14:41
link do post | dá-me um pouco da tua cor | favorito
1 comentário:
De paramorelover <3 a 3 de Junho de 2009 às 17:07
Visita já blog oficial português dos Paramore:
http://paramore_pt.blogs.sapo.pt/

Fala com fãs dos Paramore de todo o país no Fórum Paramore PT (1º fórum português da banda):
http://www.topfreeforum.com/paramorept/


Colorir

.10 anos, 10 razões :)

10 anos de Blogs do SAPO

.mais um pouco de azul


. procura-me

. segue-me

. 104 seguidores

.azuis recentes

. Crónica de uma morte anun...

. Hoje foi o dia

. Where’s the light I used ...

. Maio

. And I'll do it a thousan...

. Abril

. ...

. Diz que é dia mundial do ...

. Só porque sim

. Para ti, enquanto não dou...

.a cor da minha música

.pesquisa-me

 

.arquivos azuis

.azul também por aqui:

.links

.favoritos

. este mundo que nos ensina...

. passando, sem ficar.

. quando o medo te assalta.

. "menina dos abraços"

. como comer sushi como um ...

. A Dani, segundo a MilVeze...

. ...

. abre parêntesis

. menos não (me) chega.

. coisas sobre ti (que nunc...

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds