Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blue 258

Blue 258

Acidente na Holanda

30
Abr09

Não sei o que me choca mais: se a notícia em si , ou a difusão das imagens. Sei que vivemos na era da informação - tudo chega mais longe, mais depressa - no entanto é claro que, nem tudo o que isso traz é bom.

Pior ainda, é a confirmação da tentativa de atentado à família real - isso é que se torna verdadeiramente incompreensível; como é que por se estar a passar por uma fase díficil na vida - como tantos passam - se resolve pegar num carro e usá-lo como arma, e ainda por cima contra inocentes. O que é que isso resolve? Nada.

Nada, mesmo nada, nem o desespero que as dificuldades da vida podem impor (e impõem muitas vezes), consegue justificar o dano infligido a todos os inocentes - às suas famílias, amigos, a todos os participantes das comemorações presentes no local,   a todos os espectadores dos noticiários em todo o mundo.

A todos os que suspiram por amor

28
Abr09

Nas minhas recentes viagens pelos blogues, deparei-me com uma constante que me fez pensar seriamente no assunto - problemas do coração - e este post é dedicado a todos os que padecem de uma qualquer variante de desgosto amoroso. Perdoem-me os homens, mas dirijo-me mais propriamente às mulheres, sim, porque se não fossem os homens, os desgostos de amor não teriam nunca sentido em qualquer um desses momentos das nossas vidas.

 

Quando sofremos por amor, qualquer que seja a sua variante - desgosto e/ou traição e/ou fim da relação ( sim, porque umas podem implicar as outras ou então não forçosamente ) - custa-nos ouvir ( e não nos ajuda em nada, diga-se de passagem ) "isso passa com o tempo" ou "o tempo cura tudo".

 

Ora, que acaba por passar, até é verdade, o problema aqui é que pode demorar uma infinidade e, atenção: nunca passa completamente. Anos depois do problema resolvido, por assim dizer, ainda ocorrem aqueles momentos em que, não se sabe como, o nosso pensamento desencanta aquilo que pensámos tão bem guardadinho. A boa notícia aqui, é que nesta altura da vida, já somos mulheres (mais) seguras de nós próprias, e rapidamente e com bastante facilidade até, voltamos a colocar esses pensamentos na caixinha de onde não deveriam ter saído.

Se bem que é verdade que, por vezes, até é necessário que se escapem da caixinha onde os colocamos - recordar o passado faz-nos dar mais valor ao que temos agora - mas esta já tem a ver com a próxima pérola de sabedoria popular: "ele não te merece".

 

Ora, na altura em que somos bombardeados com esta, estamos a sofrer por amor, porque gostamos mesmo deles, o que quer dizer que mesmo que tenham defeitos, isso não nos interessa nada naquele momento, porque o que interessa realmente é que estamos a sofrer pela sua ausência ou falta (estou mesmo a ver-vos dizer que sim, que é mesmo assim).

Quanto a isto, tenho a dizer-vos que na altura ainda não temos a capacidade de perceber a realidade, mas mais tarde - lá está o tempo - acabamos por olhar para trás e perceber que foi melhor assim - esta também é outra pérola - porque na verdade eles não nos merecem.

 

A do "foi melhor assim", vem geralmente acompanhada do " tu mereces melhor" - se na altura quem o nosso coração quer é  esse causador efectivo do nosso desgosto, não adianta de nada dizerem que merecemos melhor - porque não queremos melhor - queremos aquele que já não temos ou estamos na iminência de perder ou acabamos de perder. E essa do "foi melhor assim", só meses ou anos mais tarde é a que a vamos aceitar e compreender.

 

 

Não pretendo fazer aqui de conselheira matrimonial - de modo algum. Quis foi dar um pouco de mim e dizer-vos que esses que vos causam estes problemas de coração, não sabem o que perdem - sim, pois são eles que saem a perder.

Pelo menos garanto um final feliz: aquando do abalo que estas lembranças nos trazem, acabamos por olhar para o lado, e vemos o ser  de coração doce que nos acompanha. E digo-vos: se nos acompanha, é porque nos merece!  

 

 

 

 

  

 

 

Um prémio

28
Abr09

 

Vejam lá - recebi um prémio. E não é um prémio, é  meu primeiro prémio - e só tenho de agradecer a maggie in wonderland que foi quem mo ofereceu. Uma pessoa pensa que não liga a estas coisas, e no fim de contas, fica toda contente e babada. Bem dizem que quem tem amigos, tem tudo.

 

P.S. Tal como no desafio das 8 coisas, há todo um conjunto de regras que eu acabo por não cumprir - mas reparem bem que ainda só tenho 2 amigos...

Sentimentos

25
Abr09

 

Quando um turbilhão enfurecido se apossa dos nossos sentimentos, o resultado poderia até ser uma imagem bem engraçada - só que nestas fases de revolução interior, parece não se conseguir falar, escrever e inclusive descrever. Parecem faltar-nos as palavras. Na ausência delas -  servem-nos as palavras dos outros: os poemas, a prosa; as imagens, que dizem valer por mil palavras, e a música, que parece querer dizer o que nós não conseguimos ou nos sentimos incapazes de expressar de outra forma. Por ter visitado o blogue da maggie, e lá ter encontrado o mesmo género de  sentimentos, por ter encontrado palavras que poderiam ser minhas - vai daí encontrei esta música, música que me tem vindo a perseguir neste últimos dias, e decidi colocá-la aqui também -  parece "falar" o que eu quero ouvir... e o que quero dizer, mas não consigo.

 

 

 

 

 

  

I choose to hide
But I look for you all the time

I choose to run
But I'm begging for you to come
I wanna break
But I know that you can take
I stay a while
To be sure that you're by my side
Oh, oh

Don't look at me, just look inside
'Cause I can go through
Tell me, are you goin' tired
Of what I don't do
I wanna see, I wanna fight
'Cause I don't feel scared
Honey, if you care

I choose to find
Things that you left behind
I choose to stare
But I can take you anywhere
I wanna stay
But my soul leaves you anyway
Can close the door
And love, could you give me more

Don't look at me, just look inside
'Cause I can go through
Tell me, are you goin' tired
Of what I don't do
I wanna see, I wanna fight
'Cause I don't feel scared
Honey, if you care

Choose love, choose love, love
Choose love, choose love, oh

Don't wanna hear, I wanna fight
'Cause this time I won't be wrong
And I can waste this precious time
Asking where do I belong
So let me know your love is real
'Cause this time you won't control
Tell me please, what do you feel
Do I have to save your soul

 

 

 

P.S.

20
Abr09

Um P.S., dedicado a todos em geral, que aparece aqui sob a forma de um post, mas é um P.S. e é isso que pretende ser, um P.S.

Um P.S. ao post anterior, monstros parte II, ao post da primeira parte do monstros e a todas as sequelas que ainda estão por rodar.

Lamento sinceramente o conteúdo tão negro, sim negro - pois não quero usar outros termos -  destes posts. É só isso que lamento. Gostava que este fosse um blog alegre, colorido, cheio de vida e diversão - também gostava que a vida fosse sempre assim, mas não o é - daí o blog ser como a vida: uns dias melhores, outros piores.  

Monstros - parte II

19
Abr09

Há dias que são de festa, há dias que são de alegria, há dias que são para comemorar... Mesmo assim, não há filtro possível e imaginário que possa impedir a dura e cruel realidade de entrar. O sofrimento dos que me são queridos mata-me. Corrói-me por dentro como ácido que pudesse ter ingerido. Dilacera-me o peito. Destrói-me por dentro. Acaba comigo. Sinto como se me arrancassem pedaços mas como se o fizessem lá de dentro - onde dói mais.

O sofrimento espelhado nos seus olhos, corre através de mim como as águas de um rio correm sem parar. Em mim, restam apenas os escombros, como se deixados por uma guerra terrível que tudo destrói. Fica a dor e o sofrimento que atordoam o espírito e me deixam zonza, incapaz de reagir, de lutar. Apenas se sente dor, essa dor lancinante, que é a única presença no meu ser - neste momento, não sou mais nada, a não ser essa dor tão dolorosa que me corrói as entranhas - parece descarga de corrente eléctrica que me atormenta, e enquanto não passar (estes minutos ou horas), o tormento não tem fim.  E tudo isto por esses monstros, que andam por aí, no meio de toda a gente, com máscaras de pessoas bem, querendo esconder o que fizeram, querendo esconder o que são. Mas a mim já não me enganam, não... não quando vejo estampado nos olhos daqueles a quem quero tanto, o sofrimento que causaram.

Interesses

13
Abr09

Aos poucos, lá vou navegando por aqui e por ali, partindo à descoberta, vendo como as coisas e os blogs se fazem. Vou olhando para mim / para o meu blog, e lá vou pensando mas mil e uma maneiras de o ir construindo dando tudo de mim, ou quase tudo, até por vezes mais do que tudo. Daí ter-me saltado à vista que talvez devesse - completar o meu perfil. Na parte dos interesses, à qual já dedicado algum tempo de rodagem na engrenagem, deparei-me com... BLOQUEIO.  Lindo, lindo, fiquei a pensar se o defeito era meu, se eu própria não sabia aquilo de que gostava - mas não, não deve ser por aí. Tantos livros, tantos escritores, tantos grupos, tantos artistas - uns têm-se mantido comigo sem nunca me deixar, outros pego neles de longe a longe, há ainda os novos, que vão aparecendo e ao conquistar-me acabam por se juntar aos outros todos, e por último, os da moda, que uso e abuso, acabando depois por os deixar eu. 

Enfim, como o blog é meu, e provavelmente ninguém se vai interessar pelo perfil - se se interessarem pelo que escrevo já é muito bom - vou dar-me o direito de o ir completando a meu bel-prazer.

 

 

P.S.  A ideia para o meu template também já anda a rodar pela engrenagem

 

 

 

Pág. 1/2