Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blue 258

Blue 258

O meu blogue aquece o coração :)

31
Ago10

 

 

 

 

 

E aqui vão as regras:

 

1. Referir quem ofereceu o selo:

 

Miminho oferecido pela Cátia, do Pormenores Sem a Mínima Importância

 

2. Qual é o teu chá preferido?

 

Adoro chá de limão (feito com a casca, claro) bem gelado, no Verão.  Para o Outono - Inverno, já há muito que me rendi ao Indian Spice.

 

3. Quantas colheres de açúcar costumas meter?

 

Regra geral, nenhuma. Mas quando me quero mimar, deixo o açúcar adoçar o chá com uma colherzinha.

 

4. Passar o selo a 6 pessoas:

 

E respeitar as regras, torna-se complicado. Os blogues que me adoçam, são os vossos, claro. Aqueles por onde eu passo e partilho da sua doçura. Vá, toca a levar este selo para lá.

 

 


Desafios

31
Ago10

O Bruno, do Produto Oficial Não Licenciado, desafiou (e desesperou com a demora da resposta ;)):

 

 

1. Imagina que a tua vida é um gráfico.

 

2. Divide-a em percentagem (vida = 100%) de acordo com o que achas mais importante.

 

 

50% Família e amigos. Quem nos sustenta a vida. Quem nos dá amor incondicional, carinho, colo e não pede nada em troca.

30% Literatura, música, cinema, passeios pela praia, copos com os amigos, viagens*. Tudo o que me delicia e me preenche. Tudo o que me dá prazer.

20% Trabalho. Tudo o que me faz receber uns euros ao final do mês. Tudo o que me possa fazer sentir realizada. Tudo o que possa consistir um desafio.

 

Neste momento, este é o gráfico que me definiria; daqui a uns tempos, quem sabe, as percentagens poderiam ser outras.

 

*E os blogues. O meu e os vossos. Mas alguns deles já pertencem àqueles 50% ali em cima :)

 

 

3. Passa a 5 blogs que adoras.

 

Cinco? Cinco? São mais do que cinco! Passo à Samy, à Dorky, à Daniela,  à Mil Vezes Mais, à Sara Maria, à BS Welt, à Cátia, à  Chewingum Girl, à Bazófias, à V.P., à Izzie - quase que me esquecia! -, e por aí fora!* E também passo aos meninos: ao César, ao André, ao Alex, ao Gajo - se ele se metesse em desafios -,  ao Pedrito, ao André Jesus, ao Ruim - gostava de ver o que saía dali ;) - e sim, estou a esquecer-me de alguns, mas adoro os vossos blogues. Passo aos restantes e a todos que quiserem fazer. Vá, toca a responder ao desafio.

 

E não é que me estava a esquecer da Adele e da TST? Também é para vós meninas!

Das coisas mais lindas e verdadeiras que me disseram nos últimos tempos

31
Ago10

O teu porto de abrigo pode ser tanto. Não precisa ser aquele, aquele que querias que fosse mas não é.
O porto de abrigo é sempre... tanto. Quando tanto é tudo e ainda mais.
E podes encontrá-lo nas coisas mais pequeninas. Nos gestos mais simples. Que de pequeninos então não têm nada. Basta que te dêm o sorriso de volta, mesmo que por breves instantes. Que te segurem, mesmo que por breves instantes. Que te tirem do mundo real, mesmo que por breves instantes. Que te puxem quando o teu barco está prestes a naufragar. E há sempre algo que não deixa. Sempre.
Não te preocupes, mesmo que não o encontres, ele encontra-te a ti.
E se calhar já o encontraste e ainda não te apercebeste :) O abrigo nas pequenas grandes coisas, naqueles abraços :)

 

 

Daniela

 

 

E aqui se vê o bom da blogosfera. O bom que ainda há no mundo. Nas pessoas. Obrigada Daniela, do fundo do coração. Obrigada.

 

 

 

[E isto remete-me para um tempo, não muito distante, em que a tempestade me assombrava e eu me afastava dos portos de abrigo. Aqui.]

...

30
Ago10

Sempre aceitei o que me estavam dispostos a dar. Pouco ou muito. O que fosse. Sempre aceitei o amor que se dispunham a conceder-me. Sempre fui assim. Toda a minha vida. E a minha vida tenho-a vivido eu. Percebo agora que isto não é forma de ser. De viver. Mereço mais, muito mais. E  começo a ver que estou disposta a bater com o pé e a barafustar por tudo aquilo a que tenho direito.

 

Vazios

30
Ago10

Podemos sentir um vazio sem perceber bem porquê. Sem entender o que nos causa ou poderá ter causado aquele buraco enorme bem cá dentro. Podemos. Mas chega o dia em que apesar de os problemas pesarem sobre nós, percebemos que já não nos sentimos assim tão... vazios.

 

 

Sento-me aqui, hoje, a escrever isto e sinto-me com uma determinação que outrora parecia não ter. E isso é bom, sem dúvida que é.

 

 

 

[Post escrito perto das duas da manhã. Guardado em rascunho não sei porque razão. Como o sono parece teimar em não vir, e o que escrevi/sinto parece não me sair do pensamento, decidi vir publicá-lo.]

Pág. 1/7