Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blue 258

Blue 258

...

30
Set14

E assim, de repente, num repente, ela sentiu as lágrimas que brotavam em torrente e lhe deslizavam pelo rosto. Repentinamente, sem qualquer aviso prévio, dado que aquele dia tinha acordado solarengo pleno da força e da coragem que sempre a caracterizaram e que por vezes lhe pareciam desaparecer. Por isso percebeu mesmo sem se ter apercebido logo.

E viu-se sentada no chão do quarto, abraçada à sua Jinx no escuro, com London Grammar a ecoar-lhe do headset quando ele lhe bateu educadamente à porta. Sem obter resposta e por não ouvir barulho, abriu a porta sem malícia, procurou-a na escuridão e encontrou os seus olhos brilhantes e a dor que lhe jorrava do coração. Abarcando todo o seu sofrimento, entrou, e em passos decididos acercou-se dela, abraçando-a sem ter de proferir uma única palavra. E ali ficou, sem tempo, sem horas marcadas, sem minutos a contar, dando-lhe o que ela mais precisava.

Tudo o que lhe bastava naquele momento. Aquele abraço do tamanho do mundo. E ambos sabiam que um dia aquele abraço silenciaria toda a dor. Um dia, aquele abraço seria o seu mundo.

 

 

Dos desafios

24
Set14

Dizia eu que os desafios são uma forma de os bloggers se darem a conhecer e estreitarem os laços entre si. Mas qual quê? São mas é a forma de se mostrar a criatividade e a beleza e a awesomeness (o português hoje quer folga) que pulula nestes seres espectaculares que temos o prazer de conhecer na blogosfera!

A Margarida é exemplo disso e a resposta dos seus felinos ao Desafio 'Liebster «animal» Award' é a mais fenomenal que eu já vi até hoje. Aqui fica um excerto, mas passem por lá para ver o resto, dizer olá à Margarida e fazer uma festinha aos seus aristogatos :)

 

 

 

 

Como seria a tua vida sem o blog? Sem dúvida nenhuma que não seria a mesma. Margarida, you just made my day.

Cães e gatos

23
Set14

O Koi nasceu numa casa onde já havia um cão, e quando o trouxe para casa quis habituá-lo à cadela lá de casa e habituar a cadela a ele. Aos fins-de-semana o Koi estaria sempre lá e eu queira que se dessem bem. Não foi difícil e depressa se tornaram amigos. Isto chegou ao ponto de eles dormirem os dois. Aqui está a prova disso:

 

Entretanto, o namorado meteu na cabeça que queria um cão e vai daí, trouxemos esta pequenita para casa em Agosto:

Claro que a minha principal preocupação era habituá-la à cadela lá de casa e ao Koi. Com a cadela estaria nas férias e ao fim-de-semana; o Koi pretendia trazê-lo connosco para Braga. Repeti o processo inicial, mas o Koi, ciumento que só ele, a principio não gostou da novidade e se me preocupava proteger a Jinx das unhas do gato, em poucos dias vi-me obrigada a proteger o Koi da Jinx! Ela faz dele gato-sapato. Literalmente. E o pior é que ele vai sempre atrás da cadela -.-

Como ia estar cá em Braga 15 dias sem ir a casa, optei por não o trazer, mas no próximo fim-de-semana, se tudo correr bem, viremos os quatro.

 

 

Digam lá que isto não é <3?

 

O Koi

23
Set14

O Koi era suposto ser gata, mas sempre que me perguntavam se era gato ou gata eu respondia "em principio é gata". Em principio porque eu não posso confiar em ninguém (já não é a primeira vez que isto acontece). O namorado queria chamar-lhe Koi quando ainda se supunha que era gata, mas o nome não pegava por alguma razao. Assim que percebi que afinal era gato sim senhor, senti o nome encaixar que nem uma luva. E finalmente, Margarida, blogosfera, apresento-vos o Koi:

 

 

 

O Koi está enorme, cresceu tanto, mas tanto... era tão pequenino:

 

Passou o verão lá em casa, com jardim, quintal, dois amiguinhos e muitas árvores (fruteiras) para trepar. Preocupava-me o facto de o trazer para um apartamento pequeno depois de estar habituado a tanto espaço. Ainda não veio, mas o motivo está deitado aos meus pés.

Desafio Literário - Top 10 Livros

22
Set14

"O desafio consiste em enumerar os dez melhores livros que já li até hoje, algo que é extremamente difícil para um amante de livros." Assim escreve a Bruna e eu concordo plenamente com ela. Já por aqui disse que é mesmo verdade e que são os livros que nos escolhem e fazem-no no momento mais apropriado. Como estou com dificuldade em enumerar apenas 10 livros, resolvi alterar o desafio para o Top 100 livros. Desta forma irei acrescentando livros à lista conforme vou lendo. Brilhante, não?

 

 

1. O Monte dos Vendavais, de Emily Brontë

2. Cisnes Selvagens, Jung Chang

3. A trilogia Terra Bendita, Casa Dividida e os Filhos de Wang-Lu, de Pearl S. Buck

4. A Lei do Amor (também gostei muito de Como Água para Chocolate) de Laura Esquivel 

5. A Casa dos Espíritos, Isabel Allende

6. 1984, de George Orwell

7. Anna Karenina, de Tolstói

8. Lolita, de Vladimir Nabokov

9. O Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa

10. Todos os Nomes de José Saramago

11. O Retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde

12. O Grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald

13. Lituma nos Andes de Mario Vargas Llosa

14. A Curva do Rio,  V. S. Naipul

15. O Paciente Inglês, de Michael Ondjaatje

16. O Véu Pintado de Sommerset Maugham

17. A trilogia Millenium, Stieg Larsson 

18. Papillon, Henri Charrière

19. Sexus, de Henry Miller

20. A Sombra do Vento, Carlos Ruiz Zafón

21. O Romance de Genji, Murasaki Shikibu

22. A trilogia 1Q84 de Murakami

23. A trilogia O Século, de Ken Follet

24. O Mestre de Colm Tóibín

25. O Impiedoso País das Maravilhas e o Fim do Mundo, Haruki Murakami

 

 

Vinte e cinco já cá cantam e saber que me estou a esquecer de tantos outros e que muitos mais virão acrescentar a lista e saber que a minha booklist é interminável... não me precoupa minimamente!

 

Desafio "Liebster Award - Discover New Blogs"

21
Set14

A Bruna lançou-me o seguinte desafio e, como não podia deixar de ser, um desafio de um blogger amigo não pode ficar sem resposta. Vamos então às regras:

 

1. Colocar a imagem do prémio

2. Responder às questões colocadas pelo(a) seu/sua autor(a)

3. Nomear entre 4 a 11 blogs (de preferência com menos de 200 seguidores) e dar-lhes as questões da tua autoria

 

 

 

 

 

 

 

 

1. Como seria a tua vida sem o blog?

Não seria a mesma: fiz amizades que ainda hoje mantenho, vivi e conheci outras experiências. Fui feliz, desabafei, provoquei, chorei e ri desalmadamente.

 

2. Já alguma vez pensaste em apagar o blog? Se sim, porquê?

Sim. Pensei em apagar o blog em momentos menos bons, e em alturas em que me sentia mais vulnerável. Fico feliz por não o ter feito; o blogue guarda momentos, histórias, pedacinhos de pessoas. Na pior das hipóteses, um dia coloco-o em privado e apenas isso.

 

3. O que diria o teu blog de ti se pudesse falar?

"Chiça, miúda, que tu és complicada!"

 

4. Qual é o livro que mais te marcou até hoje? Porquê?

Esta agora é que vai ser complicada... Os livros marcam-nos tanto e parecem escolher a altura certa da nossa vida para os lermos. Creio que ainda é Sexus de Henry Miller. Li-o numa importante etapa da minha vida e marcou-me imenso.

 

5. Se pudesses entrar num livro por um dia, qual seria? E porquê?

Esta é gira :) Se bem que pudesse escolher um livro de contos de fadas, quiça O Romance de Genji  de Murasaki Shikibu, não seria essa a minha escolha hoje. A escolha seria A Rapariga que Sonhava com Uma Lata de Gasolina e um Fósforo do sueco Stieg Larsson.

 

6. Qual é o escritor que adorarias conhecer e porquê?

Henry Miller. Pela forma crua e nua como aborda a vida. As coisas são como são e são o que são. Não há que ter pudor em viver.

 

7. Quem és tu? Quem é a pessoa que dá voz ao blog?

Uma miúda. Creio que serei sempre uma miúda cá dentro.

 

8. Quais são as 3 palavras que melhor te definem?

Teimosa, orgulhosa, perfeccionista. (hoje saem-me estas três, noutro dia, poderiam ser outras palavras)

 

9. Quem és quando não está ninguém a olhar?

Eu. Sempre eu. A miúda parva e apaixonada que ainda quer acreditar em contos de fadas. Em magia.

 

10. Onde querias estar neste preciso momento? Porquê?

Aqui mesmo. Porque quase tudo o que preciso deveria estar aqui comigo.

 

11. Do que mais te arrependes até hoje?

Do que deixei por fazer quando tive vontade de o fazer. De me calar quando quis falar. 

 

E agora, os nomeados:

 

César Lopes, do Conversas de Gajo: pensavas que te escapavas? Toca a escrever!

Bruno, com o seu humor à fartura no PONL

Estrela Contente, que ainda brilha apesar de já não a vermos pela blogosfera ;)

Dani, minha menina dos abraços :)

Margarida, mas tu és tudo e tivesse eu casa tu passarias à minha porta

 

 

 

Não sei se os nomeados já fizeram este desafio ou se porventura terão mais ou menos de 200 seguidores. De qualquer das formas, são os meus nomeados e as questões são as seguintes (aproveitei quase todas as que a Bruna colocou e acrescentei uma ou outra):

 

1. Como seria a tua vida sem o blog?

2. Já alguma vez pensaste em apagar o blog? Se sim, porquê?

3. O que diria o teu blog de ti se pudesse falar?

4. Qual é o livro que mais te marcou até hoje? Porquê?

5. Se pudesses entrar num livro por um dia, qual seria? E porquê?

6. Qual é o escritor que adorarias conhecer e porquê?

7. Qual seria o blog, o livro, a música, a série e o filme que recomendarias?

8. Quais são as 3 palavras que melhor te definem?

9. Com quem querias estar neste momento e porquê?

10. Onde querias estar neste preciso momento? Porquê?

11. Do que mais te arrependes até hoje?

 

 

E agora só me resta avisar os nomeados e deixar-lhes o link do post e avisar a Bruna para que possa ver as minhas respostas. :)

Hoje,

08
Set14

Passei pelo Shiuuuu. Lembrar-me de partilhar um segredo e das alturas em já por lá partilhei alguma coisa, fez-me ler os dos outros e esquecer os meus. Porque os meus já não se pesam como segredos, aprendi a chamá-los pelo nome, reconheço-os como aquilo que na verdade são.

 

Entristeceram-me as histórias (casamentos/relações) de amor que se cansam e ficam gastas como sapatos velhos, que perdem o brilho e ficam puídas como peças de roupa ou que exibem rachas e falhas no esmalte como a loiça de todos os dias.

 

Pessoas que parecem ter desistido, que parecem ter esquecido as milhas percorridas com aqueles mesmos sapatos, que parecem ter esquecido que a camisola, embora puída e coçada, ainda mantém o mesmo cheiro, aquele cheiro a casa, inconfundível, e que o esmalte partido de um prato guarda as recordações de uma vida a dois (a três, a quatro ou a cinco).

Porque sempre quis acreditar em mais, fazer por mais, ter mais. Ser mais. Porque ainda quero acreditar que é possível.

Pág. 1/2