Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blue 258

Blue 258

...

Dos roubos (que se sentem)

28
Out10

 

[ela escreve-lhe quase todos os dias numa tentativa de fixar o que não se pode prender senão por dentro.
atravessei a rua e quase fui atropelada porque hoje não consegui ainda sacudir-te da roupa que trago vestida. da pele. dos dedos. da saliva.
não terás provavelmente noção desta invasão e eu não saberia como a explicar se precisasse de o fazer.
foste-me sempre familiar porque já te havia sonhado e por isso demorou tão pouco até que agarrasses tudo o que naquela altura me restava por dentro. se calhar é isto a loucura de que falam nos livros que leio.
saí atrasada (e por isso atravessei a rua sem olhar) porque não me apetecia (e nunca me apetece) separar da tua presença que habita a minha casa e que eu provoquei com as histórias escritas nas horas vagas e para preencher a espera.
lembras-te de como sem querer enchemos de intimidade o espaço entre nós? nessa altura eu pensava que eras tanto de verdade quanto de mentira. saber tanto e tão pouco sobre ti. de ti e da tua satisfação sempre incompleta.
há noites em que não posso adormecer. imagino-te a moveres-te noutra cidade, a atravessar a rua, distraído como eu, a desenhar numa mesa de café. como foi que tu me seduziste a razão?
não sei porque te conto isto. talvez precise de apagar de mim aquilo que te escrevo.
às vezes não ser satisfeito é parte de um desejo.]


Ana, no Fogo Posto




2 comentários

Comentar post