Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blue 258

Blue 258

Homens e mulheres

18
Set09

 

Na sequência de me ter andado a dedicar à exportação das minhas teorias para o blog aqui ao lado, dei por mim a relê-las. E não pude deixar de sorrir. Coisas, enfim, que nem vale  a pena explicar. Coisas minhas. Mas isso tem-me feito pensar nelas (nas teorias), e por esse mesmo motivo, andam já outras a fervilhar.   

 

O contacto com outros seres da blogosfera - reparem, contacto; pensamos que não há, mas há - e as circunstâncias actuais - e porque tudo muda na vida, certo, as tais mudanças inerentes - levaram-me a ver muita coisa, e para falar verdade, ajudaram-me a crescer e a compreender as coisas de outra forma.

 

 Nós, mulheres e homens, ou homens e mulheres, não somos assim tão diferentes. No que respeita ao amor, claro. 

 

Ambos os sexos amam. Lutam. Conquistam. São conquistados. 

Ambos os sexos sofrem aquando da ausência desse amor.

Desfazem-se em pedacinhos. Quebram.

Deitam-se no chão com o olhar fixo no que ficou despedaçado.

Passam dias, semanas, meses (e até anos, posso ousar dizer) ali, a olhar para os cacos do coraçãozinho.

Os dias que passam apenas por ter de passar. A vida lá fora que se ri de nós. O nosso mundo desfeito em ruínas.

Mas, finalmente, lá é chegado o dia, de recolher os pedacinhos. De os tentar colar.

E tenta-se. Mas é difícil. Faltam pedaços. E convenhamos, o que fica colado nunca volta a ser igual ao original - as marcas estão sempre lá. Sempre.

Mas cola-se. E é um passo. É o primeiro passo. Depois é o da coragem. Sim, coragem para nos reerguermos com o coração ainda debilitado, ainda naquele estado. Coragem para voltar a amar. Coragem para voltar a ser amado.

 

Não é tudo escuro, não é tudo negro. Não. Se amarmos de novo e esse amor for grande e forte - as marcas, as cicatrizes começam a ser cobertas por um velo, progressivamente camufladas - camufladas pois continuam lá, visíveis, tão visíveis e aí permanecem -  mas chegará a altura, em que não esquecemos que as temos, porque tal, francamente não será possível, mas quase que já não recordamos a guerra em que foram feitas.

 

 

Porque eles, os homens, partem-nos o coração.

E nós, mulheres.... partimos o deles.

 

 

 

 

 

Mas shiuuuu, eu não disse nada...

 

 

 

4 comentários

Comentar post