Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blue 258

Blue 258

Para que servem os homens - parte IV

21
Set09

 

 Eu bem disse que andavam por aqui teorias a fervilhar. E com razão... 

 

 Ponto 1: Carregador do telemóvel

 

Telemóvel sem bateria. 

Liga o carregador à tomada e o telemóvel ao carregador.

Deixa carregar as horas suficientes (mínimas).

Retira o telemovelzinho, já carregado.

Desliga o carregador da tomada.

 

 Já estão a ver o filme, não estão? E o carregador? Onde está?

É vê-lo sempre "engatado" na tomada. Cá para mim, têm um caso e não contam nada a ninguém. Só pode. Só assim se explica. Porque vejo o r@io do carregador dias seguidos ligado à corrente. Poderá apenas ser para tornar tudo mais prático - da próxima vez que precisar de carregar o telemóvel, já lá está o carregador ligado. Não sei, não.

 

Qual é o grau de dificuldade? Põe o telemóvel a carregar. Está carregado. Retira o telemóvel e desliga o carregador da tomada. How hard can it be? Porr@, que não há paciência.

 

 

 

Ponto 2: O frasco (do gás) de encher os isqueiros (isto tem um nome? Não sei, nem me lembro, também não interessa)

 

 M fuma.

M tem isqueiros.

Quando o gás do isqueiro acaba, M, abre a porta do armário da sala, retira o frasco, e, não sei como, nem quando, lá volta a fechar a porta.

M enche o isqueiro.

Pousa o frasco em cima do móvel da sala.

Verifica se o isqueiro está a funcionar como pretendido.

Muito bem. Está a funcionar.

Prossegue para a etapa seguinte. Muito bem, na vida há que evoluir, certo?

 

E o frasco? Ali fica. Em cima do móvel. Não lhe volta  a pôr as mãos para o arrumar dentro do armário. Fica de um dia para o outro ali, a decorar. E se eu o permitisse, provavelmente ali ficava até à próxima utilização. Não o permito porque pura e simplesmente, acabo por arrumar o frasco no armário. É simples, é fácil e apaziguador.

 

 

 

Ponto 3: Etiquetas - aquelas etiquetas que vêm para casa com a roupa nova.

 

Ora eu, geralmente, gosto de lavar a roupa nova antes de a usar. Faço excepções geralmente com casacos, roupa que ainda veio embalada, ou algumas camisolas. 

Na semana passada, o M comprou duas camisolas. Usou a primeira.

 

Retira-lhe a etiqueta, coloca-a em cima da cama, veste a camisola nova.

E a etiqueta? Ficou a dormir a sesta.

 

Sábado: ocasião perfeita para estrear a segunda camisola nova - retira  a etiqueta, veste a camisola - o mesmo processo. A etiqueta?  Ficou a decorar a mesinha de cabeceira. Ainda lá está.

 

Pergunto-me, porquê? Terá o homem um conceito de decoração xxl  prático? Ou será apenas o preceito de não fazer nenhum?

 

 

 

Ponto 4: Homem que é homem, evita dobrar-se para apanhar do chão o que quer que seja.

 

Pergunto-me se terá algo a ver com aqueles filmes de presos - a cena de apanhar o sabonete que cai ao chão no duche. Não sei, sinceramente não sei. Ou isso, ou têm muito cuidado para não magoar as costas - senão, depois já não fazem o que mais gostam - e isto agora, fica ao critério de cada um.

 

Cai uma peça de roupa ao chão, e gajo que é gajo, só não lhe passa com os pés por cima, porque pode escorregar e magoar as costas - só por isso. Mas contorna o obstáculo. Nem é bem contornar, é mais ignorar. Será que pensam que se ignorarem assim, com muita força, que ele desaparece de lá? Talvez. Quem sabe.

 

 

 

Ponto 5: Funções - temporizador do comando da televisão.

 

Homens e tecnologia. Dizem, dizem, que os homens é que percebem coisa e tal, que as mulheres não se safam, bla bla bla. Pois então:

 

 Queremos dormir. Leia-se descansar, dormir mesmo. A tv mantém-se ligada, porque tal como milhares de portugueses, estamos habituados a isso, e é uma necessidade - eu pessoalmente, é mais pela luminosidade, estar ainda acordada no escuro, não obrigada.

 

Pois muito bem. Deixa-se a tv ligada. Ora eu, mais cansadita, e toda encolhidita debaixo do edredão - e porque sei que chega uma hora que não se quer som/interferências nenhumas; e porque sei que se não lhe digo  o mais provável é acordar às tantas da madrugada com a televisão aos berros - digo-lhe então (neste português tão perfeito):

 

Põe para desligar.

Como não me apercebo de movimento algum, repito:

Põe para desligar.

Ainda uma terceira vez. E desta feita, tom de voz mais elevado e junto-lhe um: tu não ouves?! Já puseste para desligar?! 

 

Ok, perguntam-se vocês - porr@, porque não pegas tu no comando e ligas o temporizador?

Eu respondo: porque eu ja tou toda encolhidinha, cansadinha, e com um dia de 25h em cima - e porque, sim porque, não tenho de ser sempre eu a fazer tudo. Mas tudo. Calei-vos?

 

 

 

 

11 comentários

Comentar post