Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blue 258

Blue 258

Eu não digo que quem tem amigos, tem tudo?

03
Ago10

Amigos loucos como eu, que nos ligam à meia-noite e dezoito, e nos perguntam: onde estás? Ao que respondemos: em casa! E nos dizem: estou a caminho. Amigos que nos tiram de casa, quando está tanto calor, e estamos aqui, prestes a ter uma síncope. Nunca me vesti tão depressa, nunca me maquilhei tão rápido e escrevi tão veloz. Quando o sangue nos corre frenético nas veias, e vamos mergulhar na noite para o tentar acalmar. E se vier de madrugada, então, a noite será boa, e o sangue correrá frenético. Amigos loucos como nós, que nos tiram de casa a esta hora, em que a noite ainda é uma criança e chama por nós. Não chama por ti?

 

 

*Post editado hoje, porque ontem, ontem, a noite chamava por mim, e os segundos merecem ser usurpados quando se trata de viver.

#44 Pinto a tua pele (parece-me que precisa de bolinha vermelha - é do calor, eu não tenho culpa - está calor, não está?)

03
Ago10

No estúdio, as tintas cedem sob a loucura do calor. Loucura? Diria tortura. Sim, tortura. Também eu cedo como elas a esta tortura, a este calor. Nem o mar possante acalma o fogo que se faz sentir. A brisa passeia-se sómente pela casa, aquela, na praia, sem vizinhos por perto.

 

 

 

#43 Espero por ti

22
Jul10

Sentada no sofá. Aconchegada no teu abraço. Cabeça pousada naquele sítio, naquele, naquele... tu sabes, tu sabes... Envolta por uma doçura que parece não ter fim... e o teu cheiro impregnado em mim, em mim, em mim... E espero o toque das tuas mãos, o calor do teu corpo, o mel do teu olhar... enquanto os meus olhos vislumbram a chuva que brinca na praia e o vento que acaricia a vidraça. Espero por ti, na casa da praia, aquela, sem vizinhos por perto.

 

 

Give me more than one caress
To satisfy this hungryness
We are creatures of the wind
Wild is the wind

 

O marulhar sobe de tom e o vento sibila a tua ausência... o mar ama revoltado, voltando-se para a lua, suplicando a sua doçura. E a lua, impávida e serena, parece troçar lá do alto. O mar, agora encrespado, procura lançar o seu manto salgado cada vez mais alto. Quer atingir a lua, tocá-la, envolvê-la, e diluir-se na sua doçura. Falha, e rebenta a sua fúria nas rochas. Maldiz a lua e jura amor ao sol. Ao sol, a quem vê indiferente de dia. Ao sol.

Mas é a lua que ama, foi esta quem  o enfeitiçou. E eis que chegas tu, acalma a revolta lá fora,  e um calor se apodera do meu corpo. Entras, e ao ver-te, o meu coração bate descompassado a melodia afinada do amor. Aproximas-te, e os acordes soam mais alto. Levanto-me e voo na tua direcção: já o coração pula de emoção. Corro para o teu abraço, inspiro profundamente o cheiro da tua pele, uma e outra vez... mais uma vez. Resguardo o meu corpo no calor do teu, afundo-me na tua doçura, perco-me no castanho dos teus olhos. Acaricio-te o rosto, e ronronando como um gato, peço-te: abraça-me com força. Abraça-me...

Abraça-me. E tu sorris, desarmando-me, quando desarmada estava eu, e mesmo que não estivesse, ao ver-te sorrir com o olhar, deixo cair as armas ao chão, e ao ver esse sorriso doce nos teu lábios, perco as forças, e rendo o meu corpo ao teu. A ti. À tua vontade.

 

You... touch me... I hear the sound of mandolins
You... kiss me... With your kiss my life begins

Love me, love me... Say you do
Let me fly away... With you

 

 

Decotes

18
Jul10

Duas gajas podem vestir a mesma camisola/top/blusa - mas a que tiver mais peito, enche o decote, e não há nada a fazer, é que não há mesmo nada a fazer. Se as tem, estão lá, como é óbvio. Depois há decotes e decotes. E há brutos decotes. Até na camisolinha mais angelical que se possa ter. E não há nada a fazer. Quer dizer, haver, até há: servir-se de um belo lenço para compor as mamas, digo, o decote.

 

...

07
Jul10

Vou ter uma surpresa boa - para já não conto - mas posso dizer-vos que logo depois de almoço, aproveitei a inspiração para escrever um texto de rajada, como eu gosto. Tem a ver com um projecto novo, no qual pretendo participar. Aproveitei a dica, embalei, e adorei. Já não me lembrava de me sentir assim animada com algo que escrevesse.

 

E devia era aproveitar a inspiração e escrever mais uns textos da casa na praia - quem quer mais? Quem? E que tal um a pedir piscina, pele, paixão e muito mel?