Sexta-feira, 5 de Abril de 2019

Das palavras que poderiam ser minhas. E dos abraços.

Abraça-me. Abraça-me bem. Forte. Sem distância. Abraça-me como quem me espera, me chama e me recebe, com sabor a casa. Abraça-me como quem me segura, inteira. Abraça-me como quem me resgata e me esconde do mundo inteiro. Abraça-me como quem me sossega o coração. Abraça-me como quem cura tudo. Abraça-me como quem me olha e me vê, mesmo de olhos fechados. Abraça-me como quem me fala, em silêncio. Abraça-me como quem me sente e me ouve o coração. Abraça-me como quem me sorri, directamente na alma. Abraça-me como quem compassa o seu coração com o meu. Abraça-me como quem me ultrapassa o corpo, me percorre a alma e me abraça o coração. Abraça-me como quem me funde em si. Para si. Abraça-me como quem se faz morada. Como quem me faz morada. Abraça-me como quem me faz existir só por dentro. Deste abraço. Abraça-me como quem não me sabe largar mais. Como quem me abraça para sempre e, para sempre, me abraça tanto. Abraça-me como quem abraça o amor. Com amor.

 

in Menina dos Abraços


publicado por blue258 às 22:01
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (1) | favorito
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018

Dos abraços

Na semana passada, dei o melhor dos meus abraços. Acho que em todos estes anos nunca abracei daquela forma - que nunca me dei daquela forma; tão intensa, tão completa, tão eu - e que foi a primeira vez em que vi a intensidade do meu abraço ser devolvida na mesma medida. Talvez não fosse pelo melhor motivo - o falecimento de um familiar - ou talvez tenha sido no exacto momento em que mais era necessário.

Eu não era capaz de transmitir por palavras que lhes percebia o sofrimento, ou que o intuía (nunca sou numa situação destas), mas que estava ali, que toda a minha força era para eles. E dos vários abraços que dei, os mais memoráveis foram o que dei ao meu primo predilecto e à minha prima mais nova que também adoro.

Não sei se foi por achar que numa situação daquelas não teriam, com o coração a sofrer, a força sequer para receber o meu abraço quanto mais para mo devolverem na mesma medida. Mas assim foi. Abracei-os com todo o meu amor, com todo o meu ser, e eles abraçaram-me com a mesma intensidade  e demoramo-nos naquele abraço sem pensar em todas as outras pessoas que estavam presentes porque nada mais importava naquele momento a não ser o nosso abraço. 

Percebi depois como isso me marcou. Já tive e tenho 2 ou 3 abraços memoráveis na minha vida que nunca vou esquecer. Estes abraços - que são aqueles abraços -  ficam marcados de forma indelével no meu coração.

Só lamento andarmos tão ocupados no dia-a-dia que acabamos por não abraçar as pessoas desta forma só porque sim. Porque as queremos, porque fazem parte da nossa vida, porque nos completam.  Porque essa é a verdade. Se fazem parte da nossa vida, é porque nos completam. Se nos completam, fazem parte de nós. Quando as encontramos, porque não abraça-las desta forma para que o elo que existe entre nós nunca se apague, nunca esmoreça? Porque um abraço destes é eterno. É um abraço entre almas. E estes, nem a morte consegue apagar.


publicado por blue258 às 00:01
link do post | dá-me um pouco da tua cor | ver outras cores (1) | favorito

.10 anos, 10 razões :)

10 anos de Blogs do SAPO

.mais um pouco de azul


. procura-me

. segue-me

. 106 seguidores

.azuis recentes

. Das palavras que poderiam...

. Dos abraços

.a cor da minha música

.pesquisa-me

 

.arquivos azuis

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.azul também por aqui:

.links

.favoritos

. este mundo que nos ensina...

. passando, sem ficar.

. quando o medo te assalta.

. "menina dos abraços"

. como comer sushi como um ...

. A Dani, segundo a MilVeze...

. ...

. abre parêntesis

. menos não (me) chega.

. há quem diga.

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds