Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blue 258

Blue 258

Feliz Ano Novo!

31
Dez10

 

 

«It took me nearly a year to get here. It wasn't so hard to cross that street after all, it all depends on who's waiting for you on the other side.»

Elizabeth, in My Blueberry Nights

 

 

 

 

Once I wanted to be the greatest
No wind or waterfall could stop me
And then came the rush of the flood
The stars at night turned you to dust

 

 

Fazendo agora uma retrospectiva do ano que passou, uma retrospectiva daquelas tão típicas de fim de ano, daquelas que parecem impor-se sorrateiramente, sorrio. Sorrio. O caminho que percorri. O que eu mudei, o que eu optei por mudar, o que eu consegui até agora, e tudo aquilo  que me proponho ainda alcançar. Se custa? Custa, e muito. Se se desanima? Também. Mas vale a pena. Isso, sem dúvida nenhuma.

E vale a pena mesmo sem termos quem nos espere do outro lado. Vale a pena a coragem, a força, a determinação para cruzar outros caminhos. Para voar. E mesmo sem termos quem nos espere, há sempre quem espere por nós, mesmo sem saber que nos espera. E nós, nós, mesmo sem saber, esperamos por eles também. E pode ser que nos encontremos, mais cedo ou mais tarde, numa dessas encruzilhadas que a vida nos apresenta.

 

Esperamos uma vida por alguém que faça a diferença. Que acrescente. Que nos acrescente. Que nos faça ver a força que temos dentro de nós. Que nos leve a voar de novo. E isso, isso, não tem preço. E quanto a ti, a ti, só posso dizer que um ano passou e continuo a ter-te na minha vida. E como foste, és, importante.

 

A todos os que me acompanham desde o ano passado: um bem-haja. Ergo o copo a vós, e brindo: foi bom ter-vos encontrado.  É bom ver-vos, ter-vos ainda na minha vida. Saber-vos à distancia de uma mensagem, de um email, de um telefonema, de um abraço.* Aos que se acabaram de juntar: um brinde a essa força maior que nos colocou na vida uns dos outros. Este ano, deixo-vos poucas palavras, mas compenso com algo ainda melhor: um abraço. Daqueles, que dizem tanto.

 

 

 

P.S. E será esta música a última do ano no blogue. E parece-me perfeita. Perfeita. Sinto que não poderia ser outra. Porque é isto que devemos desejar todos os dias. Porque é esta a força que nos deve fazer respirar todos os dias. Porque é o que eu espero de mim. Porque é o que eu que eu quero de vós.  O melhor que temos em nós. Feliz Ano Novo a todos.

 

 

* Palavras semi-roubadas.

Prazos

30
Jun10

 

No Natal, disseram-me, e muito sabiamente, para não me impor prazos a mim própria. Confesso que na altura, fiz um esforço por o perceber, e talvez só agora, o consiga compreender em toda a sua extensão. Passaram quase sete meses. Sete. E por mais que uma pessoa o tente fazer, dá por si a desanimar quando vê o tempo decorrido, e o pouco ou nada conseguido.  Mas a verdade é só uma, cada dia, cada pequena coisa é uma vitória.

Lá para Setembro, e haja força de vontade para isso, umas das coisas que eu pretendia para mim, para a minha vida, irá ser agarrada com as duas mãos. Nove meses depois. Nove. É quase como gerar um filho. A ideia estava lá, e aos poucos, foi amadurecendo,  tornando-se cada vez mais  realidade. Quase que uma imposição, uma obrigação. E a minha vida só pode melhorar depois disso. Quanto ao resto, talvez me leve um ano. Ou mais. O que importa é viver. Não esquecermos os nossos objectivos. Quem somos. O que queremos.

 

 

 

«It took me nearly a year to get here. It wasn't so hard to cross that street after all, it all depends on who's waiting for you on the other side.»

Elizabeth