Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blue 258

Blue 258

Literariamente desvirtuada. Ou não.

19
Jun13

É verdade. Estou a desvirtualizar-me literariamente. Já não obedeço meramente à paixão que tenho pelos autores clássicos e contemporâneos e cedo aos blockbusters literários do século. Sei como tudo começou. Conheço bem a sua génese e compreendo-a.

 

Por volta de 2008-2009, o burburinho em volta de A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo, era tremendo. Recordo-me perfeitamente de ter passado, ao de leve, os dedos pela capa. Mas não peguei nele. Andava a ler outros livros ou já distraída com a saga Twilight. Sim, sou fã incondicional de vampiros, e como tal, não poderia deixar de ter lido. Críticas e comparações à parte, Stephenie Meyer conquistou o seu lugar e ninguém lho tira tal como J.K. Rowlings conquistou o seu com Harry Potter. E ambas viram as suas histórias chegar ao cinema e ao sucesso da bilheteira.

Uns anos mais tarde - e eu fui confirmar no blogue a data em que o li pois sabia ter feito uma referência na altura - em 2010, o livro escolheu-me entre tantos outros e eu senti que aquele livro me escolhia. Sempre acreditei que os livros nos escolhem, já vos disse isto. E foi desta forma que o primeiro livro da trilogia Millenium veio comigo para casa. Se querem saber o resto, é só ler aqui

 

Depois veio Haruki Murakami. Não amasse eu a cultura nipónica. Não fosse ele japonês. E criou-se mais uma paixão. Comecei devagarinho com After dark - Os passageiros da noite, e logo depois com A sul da fronteira, a oeste do sol.  Depois veio o primeiro da trilogia 1Q84 (oferecido). Em busca do carneiro selvagem (também oferecido) e os dois últimos da trilogia. Tenho outros do autor em espera, numa readlist que não é anotada mas regista o que ainda quero ler. A paixão instalou-se, e não há mais nada a dizer. Só a ler.

 

And the plot thickens. Veio Game of Thrones, a série. Os livros já por aí andavam. Veio a vontade de os ler. Mas a minha consciência ditou que não, nem pensar. Se começas a ler A Game of Thrones, não terás tempo para mais nenhum (livro), disse-me ela. E eu, como boa menina que sou, acedi. Disse não aos quase dez livros de A Game of Thrones.

 

E pensais vós que a minha vida literária continuou sem problemas? É claro que não. Porque sabemos que há aqui um problema qualquer que já vos referi. A vida decorre, livros são lançados, filmes são estreados e belíssimas adaptações de clássicos são levadas ao cinema. Foi o caso de Anna Karenina e The Great Gatsby. Falo-vos aqui nos filmes, nos livros.

 

Vejo The Hunger Games. Gosto. Sei que é baseado num livro. Pesquiso. Descubro que vendeu um sem número de cópias, que foi traduzido em não sei quantas línguas, e que é, também ele parte de uma trilogia. Abismo. Quero. Tenho de ler. E assim sei que me perdi. 

 

 

 

The Great Gatsby

16
Mai13

 

 

Um clássico da literatura. Romance de F. Scott Fitzgerald ao som de uma banda sonora do mais delicioso que pode haver: Lana Del Rey, Florence And The Machine, The XX, Sia, Jack White e muitos mais. Do mesmo produtor de Romeo + Juliet e Moulin Rouge (bandas sonoras memoráveis das quais me orgulho de possuir os originais). Escusado será dizer que este já ganhou o lugar na lista dos meus favoritos. Estreia hoje.


P.S. Com Leonardo Dicaprio e Tobey Maguire. Querem mais motivos para ver? A não perder!